terça-feira, 10 de maio de 2011

O marketing subconsciente a favor das drogas. Cuidado com o que você acredita, não transforme-se no seu pior inimigo.







Amigos do site Psicologia Racional,

Selecionei o texto abaixo porque ele é revelador da forma de funcionamento do marketing para incentivar o consumo de drogas legais e ilegais (se considerá-lo complexo, leia primeiro meus comentários). Quem acredita neste marketing desenvolve comportamento autodestrutivo, portanto tome cuidado!


"Muito além do simples ... efeito farmacológico objetivo, todo remédio também é uma representação que se autorreforça por meio do efeito-placebo inerente à todo medicamento. O que se vende com o mercado de drogas são modos de produção da subjetividade. Assim o fazem os usuários que as inserem em contextos sociais, cerimoniais e até rituais. Também assim o consideram as agências publicitárias que, ao promoverem álcool, tabaco ou remédios, vendem estados de espírito, modelos de felicidade da alma, humor em pílulas. Mais do que venderem, exacerbam, pois, conforme a hipnótica cantilena publicitária, só há requinte com um cigarro na mão, só há festa com cerveja e decotes generosos, só há felicidade plena com o sono, a ansiedade e a tristeza geridos por meio de doses de pílulas ou elixires.

Por isso os orçamentos administrativos e de marketing das indústrias farmacêuticas são muito maiores que os de pesquisa. Estes estudos sempre são interrompidos ... , não havendo acompanhamento exaustivo de seus efeitos previstos e colaterais de longo prazo nas populações usuárias.
A própria técnica publicitária nasce, desde o final do século XIX, fortemente ligada à venda de medicamentos, tônicos, fortificantes, etc., vendendo estilos de vida mais do que os produtos em si. Até hoje, o setor da venda de drogas (seja álcool, tabaco ou remédios) representa uma das maiores fatias do mercado publicitário internacional e brasileiro.

De toda a indústria farmacêutica, o setor das drogas psicoativas é não só uma das mais lucrativas como a que teve influência cultural mais significativa. O que pouco se percebe é que paralelamente à emergência de um proibicionismo de certas drogas ocorreu uma exacerbação na compulsão ao consumo de fármacos industriais (assim como também o de alimentos e outras mercadorias)". Henrique Carneiro


COMENTÁRIOS:

O que o autor explica é o seguinte: existe uma campanha subconsciente a favor do uso de drogas. A campanha mais clara é a que incentiva o uso de álcool e drogas legais psicoativas (também chamadas de remédios) vendendo estilos de vida. A mensagem subconsciente diz: "é bom se drogar, faz bem". Outra mensagem: "festa sem drogas é uma merda". Mais uma mensagem: "com a droga vou viver melhor". São campanhas diversas que emitem muitas outras mensagens subconscientes.

Estas mensagens subconscientes estavam na cabeça de 100% das pessoas que tratei, quando começaram a usar drogas (álcool, remédio para dormir, drogas ilícitas, etc).

Observe o que o texto diz: o marketing é muito mais importante para as indústrias farmacêuticas do que a pesquisa. Gasta-se mais dinheiro convencendo as pessoas a usarem drogas com a ilusão de que resolverão seus problemas pessoais, que pesquisando soluções.

Aliás, o novo marketing da indústria da doença é dizer que algumas doenças não tem cura (isto é o que o autor chama de produção da subjetividade). É a garantia de clientes-dependentes para o resto da vida. O caso mais escabroso é o da síndrome do pânico. Anos atrás, os médicos ligados ao ideal da indústria farmacêutica diziam que com alguns meses de tratamento com remédios a síndrome do pânico estava curada. Diziam, NÃO dizem mais.

Agora dizem que é uma doença incurável, que tem que tratar o resto da vida, com remédios e indo ao consultório deles.

O que eles querem é criar um efeito placebo ao avesso (efeito Nocebo). Ou seja, querem programar a mente das pessoas para manter a doença. A mente pode curar; se pode curar, pode gerar a doença.

Se meus pacientes com síndrome do pânico curam é porque existe cura, e cura sem remédio. Sim, somente alguns pacientes necessitam de remédio. A maioria não precisa. Curam sem remédio, e com tratamento psíquico profundo.

O marketing da doença quer que as pessoas acreditem que boa parte das doenças mentais precisa de remédios e PARA O RESTO DA VIDA.

Os remédios são uma dádiva de Deus, se bem usados. São uma arma letal quando incentivados por executivos propensos a fraudes, enganações, corrupção, sedentos de poder, e loucos por dinheiro.



Clique em "Curtir Página" para curtir nossa página


O mundo está em grande crise moral, todos acompanharam as grandes fraudes nos bancos americanos. Fraudes praticadas por uma maioria. Fraude nas empresas que faziam auditorias, fraudes em aqui, fraudes ali. O mesmo está acontecendo em todas as áreas da economia. Infelizmente esta é a verdade.

Para ganhar público fiel, o marketing da doença precisa que as TVs, rádios, jornais, etc, façam o marketing da desgraça, do negativismo, do consumismo, do individualismo, etc. Precisam de muita desgraça, para então venderem a felicidade na lata de cerveja, na pílula, na cirurgia, etc.

Vejo o resultado disto todos os dias no meu consultório. Quando as pessoas mudam interiormente, a vida muda, o humor muda; é como o sol voltar a brilhar, depois noite fria.




Vou propor uma atividade para vocês: assistam os seriados do canal Nicklodeon, qualquer um deles (o mais famoso é iCarly). Preste atenção nos pais (ausentes ou idiotas), nas figuras de adultos (bobões), no papel da escola (negativo), e outros. Você vai observar como se constrói hoje o drogado que vai usar droga como remédio (depressivos, histéricos, fóbicos) ou o drogado que usará drogas ilícitas.

No caso específico da síndrome do pânico, o discurso é de que deve-se tomar o remédio para esta doença “incurável” logo na primeira crise. A verdade: a maioria das pessoas que tem a primeira crise NUNCA terá a segunda. Com este discurso eles conseguem criar uma legião de pessoas saudáveis tomando remédios (drogas), acreditando que são doentes e dando graças a Deus pelo suposto efeito do remédio.  (Eles acreditam que estão livres das crises por causa do remédio; mas, na verdade, são pessoas saudáveis).

Das pessoas que tem a segunda crise de pânico, menos da metade terá a terceira. Poucas terão várias crises e precisarão do remédio para controle, enquanto fazem a terapia para se curar.  Observe como o mercado para o remédio é restrito, gerando menos dinheiro para os laboratórios fabricantes, médicos e para os jornalistas, comentaristas, especialistas, marketeiros, entre outros.

O dinheiro ganho com quem não tem a doença e é condicionado a acreditar que tem, é dividido entre muitas pessoas que levam a vida com muito conforto e sofisticação. Enquanto isto, quem toma o remédio constrói um sistema de pensamento de autoboicote, que lhe destrói a vida (mais textos sobre autossabotagem).

A guerra acontece dentro da sua mente. Saiba defender sua saúde psíquica. Você é o responsável pela sua vida; tome conta dela para que outros não dominem sua mente.

Autor dos comentários: Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis



Eu agradeço muito se você recomendar esta postagem no G+, curtir no Facebook, retuitar ou mandar o link via email.







Leia também:

Dezenas de textos sobre autocontrole

Para os adultos que querem emagrecer: preparem-se para serem pessoas melhores

Ciência mentirosa e manipuladora - cuidado com as notícias de pesquisas científicas

Educação: exigir eficiência dos nossos filhos

A humildade e o conhecimento progressivo da vida

A arte de bem viver: jamais desprezar o que é bom

As pessoas estão tão acostumadas com propagandas enganosas que não se sentem enganadas.




Cuidado com aquilo que você acredita. Não torne-se seu pior inimigo.







Atenção: 

receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição). Outra opção é você se tornar seguidor do site. 

É simples! É rápido! É fácil!




2 comentários:

  1. Muito bom o texto, concordo com muita coisa escrita nele, aliás, um adendo, acho que a "mídia" está "infantilizando" demais as pessoas, tratando as como crianças, e noutras vezes como débeis. é apenas uma suspeita minha, só isso explica o monte de comerciais engraçadinhos, cheio de cores , etc. Abraços e parabéns pelo site, tô devorando as matérias!!!

    ResponderExcluir
  2. como assim?fizemos de tudo para chegar nesta sociedade de hoje,oque tem mais nesta vida para fazer?busca ser ter,querendo ou nao vamos rodar e volta neste ponto,pior que mídia e igreja.tenho uma crente em casa alienada,ideia furada.
    mais oque uma pessoa feito ela vai acreditar nesta vida melhor ate ser,por que eu nao acredito em bosta nenhuma.por que sempre busquei uma verdade sabe oque ganhei?nada so quero ficar alienado de novo,mais besta,bem besta mesmo,talvez vire crente assim bem besta

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...