domingo, 20 de novembro de 2011

Submissão das mulheres, a face pervertida do servir. A necessidade da mulher se autoafirmar para que a sociedade possa superar preconceitos.



Após ser mutilada menina descansa. Mutilação genital, submissão feminina. Excisão
Menina repousa após ser mutilada.




Deus nos proveu de duas qualidades essenciais: a gratidão e o servir. Quem pratica a gratidão e o servir se enche de energia e satisfação; é o incentivo que Deus associou à estas duas qualidades. Associou o sexo ao prazer, o desapego à ampliação da consciência e assim por diante. Toda qualidade nobre possui algum "incentivo" associado à ela.

Tudo seria simples, mas há um complicador: como fazer para pessoas que não receberam "os incentivos" confiarem nos ótimos resultados conquistados ao desenvolverem qualidades nobres? Alguns evoluem rápido e usufruem rapidamente. Outros evoluem devagar, e percebem apenas pequenas porções dos benefícios. Outros, porém, se perdem em ilusões mentais que os afastam da boa prática e dos bons resultados. Os iludidos são a maioria. Eles embaralham tudo, confundem, invertem. A vida fica complicada e menos satisfatória. 

Esta notícia, que publico partes, é interessante:

...

"A organização alcançou notoriedade ao defender que as mulheres devem se comportar como prostitutas especialistas na cama para atender os desejos dos maridos e manter a união familiar.

A espécie de 'Kama Sutra' para preservação do casamento oferece, sem conter nenhuma fotografia ou desenho, instruções sobre como entreter, obedecer e dar prazer aos maridos.

Com este intuito pedagógico, a associação pretende melhorar o desempenho das mulheres que só oferecem 10% do desejo de seus cônjuges, segundo o texto.

O livro mostra em outros capítulos como as mulheres podem satisfazer seus maridos descrevendo atos sexuais e defendendo que o sexo é uma forma de prece.

A fundadora do grupo, ... considera que as separações são resultado do fracasso das mulheres em dar prazer a seus maridos.

"O abuso doméstico acontece porque as esposas não obedecem aos maridos. O homem é o responsável pelo bem-estar da mulher, mas ela deve escutá-lo e obedecê-lo", disse Taufik à imprensa.

A responsável pela associação feminista Empower criticou a visão "atrasada e estreita" do papel da mulher no guia.

"É realmente um insulto ao movimento de defesa dos direitos da mulher. Avançamos o suficiente para que as mulheres não sejam mais tratadas como meros objetos sexuais", defendeu".

(Fonte: UOL)

Observe a confusão: mulher - prostitutas especialistas - dar prazer marido - união familiar. Para transar bem e gostoso a mulher deve ser uma prostituta especialista? Sexo eficiente e dedicado torna a mulher prostituta? Ser prostituta envolve o ato de vender o sexo. Dar e receber prazer significa aproveitar as boas oportunidades da vida para gerar um pouco de alegria e satisfação (entre outros benefícios).

Deve-se fazer bem feito tudo o que se faz. No ato sexual também é assim. É um aprendizado contínuo, que exige dedicação, busca de informações, experimentação, entrega, disponibilidade. E, o principal, isto vale para homens e mulheres.

Servir ao companheiro(a) é uma das regras de ouro de Deus. Isto vale inclusive para o ato sexual.

Uma mulher dígna, cujo casal quer praticar sexo, deve se esforçar para praticar sexo gostoso. A dignidade está justamente na entrega, no envolvimento, na dedicação, na participação. Nada mais justo que ela tenha e participe do prazer. Ela vai servir e será servida. Ele diz o que gosta e ela diz o que gosta. É a complementação, que é parte integrante do desapego.

Observação: existem casais em que ou o homem ou a mulher tem pouco interesse em sexo. São características pessoais que devem ser respeitadas e resolvidas entre o casal - isto significa que aquele que tem menos libido pode prestar serviços sexuais ao outro, para permitir a satisfação sexual deste. Esta dedicação vale para homens e mulheres.

A perversão do servir começa quando existe uma crença negativa que transforma a mulher dedicada em prostituta que presta serviço. O complemento mental desta crença é a mulher ficar confusa com sua sexualidade, e pensar: "sou digna, não ligo para sexo". Desta forma, ela bloqueia sua sexualidade, para não ser "puta".

O servir pressupõem escutar e sentir o outro. O servir permite sintonia e ampliação das possibilidades. Servir é o ato de valorizar o outro. Quem serve ganha eficiência, dinamismo, boa vontade, determinação. Fazer a vontade do outro é muitas vezes o resultado da gratidão e da compaixão. Todavia, tudo isto praticamente morre se houver a ANULAÇÃO de um dos membros do casal.

Estar pronta para doar e estar pronta para receber é fundamental. Deve-se saber se impor para que haja equilíbrio, e para motivar a ação do outro. 

A mulher e o homem devem expressar sua verdade. Ela pode e deve cobrir seu marido de abraços e beijos, porque está com vontade de transar. É a beleza da vida: "eu sou assim, sou completa, tenho desejo, tenho vontade. Te dou prazer e você me dá prazer, desta forma nossa alegria e sintonia só aumentam".  Esta postura aumenta a troca, aumenta o servir, aumenta a cumplicidade, aumenta a intimidade; assim aumenta o vínculo e a força da união.







É válido um manual que incentive as mulheres a darem prazer para o marido. Dedicação e disciplina faz muito bem. Porém, que seja completo: que elas aprendam a se dar prazer.

É válido escutar as necessidades do outro e obedecer. Porém, que a escuta e a obediência seja cultivada também pelo homem que quer intensificar o prazer da mulher. Um aprende com o outro, os dois ficam melhores. Obedecer não é ruim. Se os dois forem COMPLETOS haverá momentos em que um deve seguir ao outro - obedecer um ao outro.

Cada um é responsável primeiro pelo seu bem estar. O homem é responsável pelo seu bem estar e a mulher pelo seu. Simplesmente porque somos seres INDIVIDUAIS e certas responsabilidades são intransferíveis. Todos devem cuidar de si, é o mínimo. A evolução, o amor, a gratidão, o servir, aparecem para simplificar a vida e AMPLIAR as possibilidades de satisfação e alegria.

Pense bem: uma família de cinco membros - um vai até a padaria e compra leite para todos. Se estivessem isolados, os cinco deveriam ir à padaria (trabalho quintuplicado). Este exemplo simples mostra que a união deve facilitar a vida e aumentar a satisfação. Juntos podem amadurecer, progredir, aumentar a satisfação, etc.

Onde não há evolução, o ser humano complica tudo que poderia ser simples. Observe...

Está errada a mulher que diz que o marido é o responsável pelo seu bem estar. Ela é uma mulher castrada e impotente que não se afirma como pessoa digna. Depois que ela se castra, procura alguma compensação - "meu marido é o responsável por mim" (ela não é responsável por si). A mulher que não assume ser responsável por si, que se desvaloriza, não pode esperar que a sociedade a valorize.

As regras são usadas para impedir que "pessoas incapazes" possam ser livres. Existe sempre o receio de dar liberdade para quem é incapaz: o que você acha de deixar uma garrafa de pinga com um bebum? Ou permitir que uma criança de 4 anos atravesse sozinha uma avenida movimentada? Se a mulher se coloca como incapaz de cuidar de si, cabe ao homem limitar a liberdade dela. Esta é a raiz de grandes desgraças humanas. Uma mulher que não sabe cuidar de si, não saberá cuidar de sua sexualidade. É uma das justificativas para mutilação genital desta mulher.  O receio é dar liberdade sexual para mulheres que não sabem cuidar de si. O que ela vai fazer com seu desejo sexual se for livre?

A verdade é que a mulher é capaz de cuidar de si. Quem é capaz deve ter liberdade para viver, escolher e se desenvolver. A liberdade sempre vem acompanhada da autoafirmação: sou capaz. Sou capaz de ter desejo sexual, ter prazer e ter dignidade (por exemplo). Toda mulher deve ter a autoafirmação da sua força interior, da sua capacidade e inteligência. 

Se a mulher se coloca como dependente, ela ajuda a sociedade a manter várias crenças negativas a respeito dela (mulher é incapaz de cuidar de si). Em algumas culturas estas crenças negativas levam a situações radicais, como a mutilação da genitália feminina. É uma forma cruel e errada de transformar um ser que tem tesão e desejo (mas não tem capacidade de se controlar - segundo esta cultura) em uma pessoa que está protegida de si mesma (mutilada, sem tesão, sem tentação, mais segura).

Na foto deste texto existe uma mão que ampara a menina mutilada. É a mão do amor, a mão de alguém que quer o bem dela. A crença negativa transforma o amor no caminho da destruição e da violência. Amor é um movimento, é um verbo, tem gente que imagina que dele só vem coisas boas. Não, não é assim. O amor, quando associado a crenças negativas, preserva e dá força a muita injustiça e maldade.

Deus organizou a vida para que o sexo gere prazer. Para que o servir gere proximidade, intimidade, cumplicidade entre o casal. Para que o amor intensifique a satisfação e motive para enfrentar as dificuldades. Para que a mulher e o homem possam se apoiar e ajudar mutuamente. Para que a inteligência gere uma vida racional e eficiente. Os dois livres, para que possam oferecer o melhor de si e se potencializem.

Se potencializem! Pense simples: o homem casa com a mulher mutilada, ela serve ele, sem tesão. Ela pode ser dedicada, mas faltará o tesão. O tesão da mulher é um fator de potencialização do tesão do dois. O tesão feminino aumenta a intensidade do tesão masculino e com isto também ajuda a aumentar a frequência das relações sexuais. Se os dois tiverem prazer, tudo se amplia. A crença negativa sobre a sexualidade diminui o prazer dos dois.

Estas pessoas  desprezam a simplicidade que Deus ofertou. Elas criam crenças negativas, geram confusão e diminuem o potencial de prazer. Acabam por perverter algo tão belo como o servir, associando-o a costumes e idéias pouco evoluídas e repressoras.






É lindo a mulher ser objeto sexual do marido. É lindo o marido ser objeto sexual da esposa. É lindo ambos se esforçarem para dar prazer ao outro. É lindo um ser serviçal do outro. É lindo cada um desenvolver ao máximo suas potencialidades para poderem servir a si mesmo e aos outros. A vida fica mais intensa e mais prazerosa.

A autoafirmação da pessoa exige o DESENVOLVIMENTO DE POTENCIALIDADES; o que valoriza o servir e desvaloriza a submissão constante. Ao homem cabe aprender com a mulher, permitir que as necessidades dela o faça crescer (o mesmo vale para a mulher).

Nossos espíritos não possuem sexo, assim sendo as necessidades evolutivas são exatamente iguais.


Autor: Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis


Acompanhe o site Psicologia Racional no Facebook

Clique em "Curtir Página"


Gostou deste texto? Então recomende esta postagem no G+, curta no Facebook, mande um twitte ou mande o link via email.


Atenção:

receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição). Outra opção é você se tornar seguidor do site.

É simples! É rápido! É fácil!






Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...