quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Algumas dicas sobre como o poder enlouquece as pessoas (para você não repetir na sua vida)






Por Regis Mesquita


No livro "Quickies: fascinating facts about the facts of life" existe uma passagem que conta a história da imperatriz chinesa Wu Hu da disnastia T´ang (700-900 d.c.). Ela  exigia que todos os visitantes masculinos, autoridades ou não, lhe prestassem homenagem ajoelhando-se na frente dela e chupando-lhe o clitóris.

Não acredito que a tal princesa tenha feito isto para ter prazer. Muito pelo contrário, com todo seu poder poderia escolher os melhores amantes para si. Ela queria testar as pessoas e provar o seu poder.

A prova do poder é quase sempre negativa. Ou seja, oferece algo ruim e obriga as pessoas a se submeterem.

Vou exemplificar: imagina se esta princesa oferecesse as mais belas mulheres para os visitantes terem relações sexuais. Ou se ela desse chocolates maravilhosos para estas pessoas comerem. Os visitantes se submeteriam a estas ordens com satisfação. Não serviria como uma prova de poder.

Para ter certeza de que ela tem poder, ela oferecia algo degradante, ruim, nojento, humilhante, A pessoa não queria fazer, mas tinha que fazer. Era assim que ela testava a submissão a ela.

A atitude da imperatriz Wu Hu é muito comum: testar as pessoas oferecendo o que é negativo. Como ela tinha muito poder, ela podia testar de modo extremo (esta é a única diferença das pessoas atuais).

Boa parte das pessoas oferece algo ruim para testar o amor ou a amizade das pessoas. Acreditam que a prova do amor/amizade é fundamental para ter segurança.

O que está por trás desta atitude é a insegurança: será que ele gosta mesmo de mim? Será que ele realmente me respeita?

A pessoa oferece algo ruim e se a outra pessoa se mantiver ao seu lado é porque realmente gosta.

O preço:

A outra pessoa, que recebe o que é negativo, se sente mal, desprezada, desprestigiada, etc. Com isto o vínculo vai sendo corroído. O resultado tende a não ser bom.

No caso do imperador Nero, a necessidade de mostrar seu poder fez com que ele ofendesse a sociedade da época. Ofendia cada vez mais, pois sua ousadia lhe dava a satisfação de testar e provar quão grande era seu poder.

(Observe que esta necessidade de provar e testar nunca é satisfeita; ao contrário, se repete sempre.)


“Nero, o exibicionista imperador romano que governou do ano 68 d.C., foi muito além, casando-se com dois homens em cerimônias públicas. Suetônio escreveu sobre o primeiro casamento homossexual de Nero: “Depois de tentar castrar o garoto Sporus no intuito de transformá-lo em uma garota, ele organizou uma cerimônia de casamento – com dote, véu de noiva e tudo o mais – com a presença de toda a corte; em seguida levou-o para sua casa e tratou-o como uma esposa. Vestiu-o com roupas elegantes e finas usadas pelas imperatrizes, conduzindo-o na própria liteira... pelas ruas de Roma, beijando-o amorosamente desde então e para sempre”.

Mais tarde, casou-se também com Doryphorus, forçando a corte imperial a tratar suas “noivas” masculinas com a mesma cortesia destinada às suas três esposas (Otávia, a primeira, de quem se divorciou depois de acusá-la de um adultério não cometido e sentenciá-la à morte; Poppaea, que morreu três anos depois e, finalmente, Statilia Messalina)”. (Fonte: O Livro do Amor)

Doidão este Nero, não é?

Existem muitos doidões à nossa volta. São todos aqueles que tornam a vida pessoal e conjugal mais pobre e conflituosa oferecendo o que é negativo.

A diferença é que possuem menos poder e, por isto, mais chance de serem confrontados. O medo da perda impede os desatinos maiores.


Clique Aqui



Pense duas vezes antes de testar seu amigo, seu irmão, seu pai, sua mãe, seu namorado, esposa, etc. No inconsciente deles ficará gravado: “se ela(e) me oferece o que é ruim é sinal de que não posso confiar e me entregar”.

Alguns até terão a decisão gravada no inconsciente: “se me oferece o que é ruim é melhor me distanciar desta pessoa”. É questão de tempo para se afastar ou criar um vínculo neurótico.

Se você pode oferecer o que é bom, não perca tempo querendo testar as pessoas. Crie vínculos sadios e intensos. Se mesmo assim a pessoa não quiser estar do seu lado, siga seu caminho em paz.

Ao oferecer o que é bom, intenso e verdadeiro irá criar boas condições para que algumas pessoas queiram estar ao seu lado. Não precisamos de quantidade, precisamos de qualidade.

Aprenda:
seu orgulho e sua vaidade jamais serão satisfeitas. Pessoas que possuem algum poder e começam com os testes negativos, tem sempre que manter os testes. Eles nunca são capazes de trazer a segurança e a paz interior. As pessoas tornam-se perturbadas. E nunca param de perturbar as outras pessoas.

Não deixe que sua vida seja preenchida por comportamentos negativos e neuróticos. A primeira vítima será você. 


Autor: Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis



Dicas, pensamentos, orientações e novidades do site Psicologia Racional





Agradeço muito se você recomendar esta postagem no G+, curtir no Facebook, retuitar ou mandar o link via email.





















Atenção: 

receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição). Outra opção é você se tornar seguidor do site. 

É simples! É rápido! É fácil!



Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...