sábado, 7 de janeiro de 2012

Guerra contra o Irã: preparando uma nova guerra. Ela começa na sua mente. Aprenda a se defender da guerra psicológica e da impregnação mental.



Guerra contra o Irã. Cuidado para não ser manipulado. Pacifismo.






Este texto é um alerta para que os tambores da paz acabem com o rugido do leões da guerra.

Sim, uma guerra está em gestação. De um lado um país que tornou sua economia dependente da máquina da guerra (EUA), de outro lado o Irã com seu fanatismo religioso.

Postulantes a presidente dos EUA falam abertamente em atacar e guerrear contra o Irã (Atenção, em 2015 houve alguns momentos de menor tensão. Mas, não tenha dúvida, o que guerreiros sabem fazer é guerrear. Logo volta tudo ao velho padrão). Falam isto com uma naturalidade que impressiona. Sabem que ser machão em uma sociedade que perdeu os valores e está perdendo o dinheiro é certeza de serem valorizados.

É comum um país ou uma pessoa em decadência se aferrar ao orgulho. É o caso dos EUA. Ainda mais quando do outro lado está um país que busca desesperadamente se armar, como é o caso do Irã.

Neste contexto é que entramos nós, cidadãos comuns.

Podemos orar, podemos meditar, podemos clamar por paz - isto, porém, é pouco.

Podemos fazer algo a mais: entender que a guerra psicológica já começou. A meta desta guerra é dominar sua mente. É a guerra cuja trincheira são os meios de comunicação.

O primeiro round desta guerra é a negativização constante da realidade. O negativismo cansa as pessoas, atordoa e as deixa sem iniciativa e com menos capacidade de raciocínio. A consequência é que elas começam a vibrar na mesma frequência da negativa que a Tv ou rádio propaga (por favor, preste atenção nesta frase).

Exemplo: começo de janeiro, estava em um hospital e tive o desprazer de assistir os jornais matinais da Tv Globo. Foi um giro pelo país em busca de desgraças. Mais de uma hora de notícias ruins pinçadas de uma realidade que foi muito feliz para centenas de milhões de pessoas. Um acidente em São Paulo mereceu alguns minutos, uma árvore que caiu em Brasília mereceu outros minutos, uma casa que desabou no interior de algum estado, outro acidente numa outra estrada e por aí vai.

Depois desta dose maciça de negatividade (já que milhares de outras notícias NÃO foram escolhidas para estarem presentes no telejornal) o padrão vibratório da sala de tv foi reduzido drasticamente. As mentes das pessoas que assistiam o telejornal foram impregnadas de negativismo, deformando a percepção da realidade.  

Em meio a tal situação aparecem as notícias escolhidas para "mostrarem" o que acontece no planeta. Eles também escolhem o que vão ESCONDER de você. Mais uma notícia sobre o Irã. Nada de falar da perseguição contra os cristãos, por algum motivo isto JAMAIS aparece nestes jornais. É sobre armas, mísseis. O Irã é apresentado como um demônio que desafia o mundo.

O que torna o Irã um "demônio" é desenvolver armas que seus inimigos JÁ POSSUEM.

Depois da mente das pessoas serem preparadas com tanto negativismo, elas aceitam facilmente qualquer besteira que os comentaristas e jornalistas da Globo (ou outra emissora) disserem.



Você tem que lutar contra isto. O primeiro passo é não assistir ou assistir menos tv ou rádio. O excesso de informações inúteis é usado para te cansar e desestimular o raciocínio.

Segundo passo é procurar fontes de informações que sejam realmente diferentes. Por exemplo: procurar por informações de quem apóia o Irã ou que é pacifista, assim poderá conhecer os vários lados da realidade.

Terceiro: se conectar com o que é nobre. Valores e sentimentos nobres, quando colocados em prática, produzem a energização da mente e aumenta o nível vibracional. Desta forma, você deixa de vibrar na mesma frequência, com isto sente menos identificado com o discurso negativo.

Quarto: tão importante quanto a higiene física é a higiene mental. Limpe sua mente; uma das mais importantes formas de higiene é NÃO JULGAR.

Aprenda a NÃO ter opinião sobre tudo. 

Reconheça que na imensa maioria das vezes seu conhecimento das coisas será superficial. Treine sua mente para não decidir e nem se envolver com aquilo que você não conhece bem.

O NEGATIVISMO PRECISA DA SUPERFICIALIDADE PARA SE EXPANDIR.

Quando sentir a necessidade, aprofunde seus conhecimentos. Estude! Busque mais informações!

Quem tem que dominar sua mente é você.

Quem tem que mandar na sua vida é você.



A IMPREGNAÇÃO MENTAL: O CASO HUGO CHAVES - VENEZUELA


Uma vez, em uma palestra, perguntei para a plateia qual a opinião deles sobre o então presidente da Venezuela, Hugo Chaves.

Perguntei primeiro se era uma opinião positiva ou negativa. Mais de 95% dos presentes tinham alguma opinião, a maioria negativa.

Depois levantei os motivos que levavam a ampla maioria ter opinião negativa desta pessoa. E por fim, verifiquei de onde vinham as informações que embasavam as opiniões deles e o quanto eles realmente conheciam a vida na Venezuela.
A quase totalidade dos que tinham opinião negativa eram informados pela Rede Globo ou pelo grupo Bandeirantes.

Observe: a Rede Globo fala mal do sujeito e eles repetem (ficam impregnados) o que a Globo fala.

Este é o o resultado do hábito de ter opinião sobre tudo. Quase sempre as opiniões são julgamentos com muito pouco conhecimento de causa.

Simplesmente, sabemos pouco sobre a realidade. Quem é humilde aceita esta verdade e evita ter opinião/julgar.

Ou pode tomar a decisão de fazer um estudo profundo da questão (no caso, a vida e a política na Venezuela).

Observe que se a pessoa estudar a Venezuela, por falta de tempo não terá como estudar centenas de outros assuntos em profundidade.

Além do perigo de cometer injustiças, existe o risco maior da sua mente ficar preenchida de pensamentos e sentimentos.  Isto irá conturbá-la de tal forma que não haverá espaço para perceber e desenvolver a sensibilidade e a racionalidade.

É exatamente o que querem as pessoas da mídia. Criar em você o costume de sempre julgar para que você use neste julgamento as informações que eles repetem e repetem na sua mente.

Procurar fontes de informações que sejam divergentes destes grandes grupos econômicos é especialmente importantes.

Porém, mais importante é não julgar, a menos que você tenha bastante informações. Ou seja, se você estudou intensamente o problema e a situação.

Clique Aqui
A opinião daquelas pessoas era que o presidente (na época recém reeleito) era um ditador. Mostrei um documento no qual a ONU reconhecia que a eleição foi limpa, justa e democrática. E perguntei: quem é mais confiável, a ONU ou o dono da Rede Globo?

Isto gerou muita dúvida naquelas pessoas. Elas não tinham estudado a situação e apenas repetiam e aceitavam a informação que chegava repetitivamente na mente deles.

Eram rápidos para julgar, sempre julgando negativamente - segundo os interesses de quem lhes provia o conteúdo que deveria ficar impregnado em suas mentes.

É esta a liberdade que você querem para vocês?



Autor: Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis



Curta agora a página do site Psicologia Racional no Facebook



Clique em "Curtir Página"



Leia também:






Não chame de destino as consequências de suas próprias escolhas




PS: agradeço às pessoas que acompanham o site Psicologia Racional, seja recebendo as mensagens via email, sendo seguidoras ou visitando-o de vez em quando. De “boca em boca” os números estão aumentando. Sua participação na divulgação do site é fundamental.

 Obrigado!




Para você que está conhecendo o site PSICOLOGIA RACIONAL: este site se propõe a ter textos originais que discutam assuntos do cotidiano. São textos que podem servir para reflexão sobre a vida que cada um leva.




Ódio não diminui ódio. Ódio diminui com amor. Pacifismo




Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções



Um comentário:

  1. Excelente texto... continuem assim desvendando para o povo o quão manipulados eles podem ser .
    Parabéns...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...