sábado, 21 de abril de 2012

Aprendendo a viver a vida – o homem que descobriu seu caminho para a vida plena. Um exemplo de vida de quem enfrentou o câncer.



Ao enfrentar um câncer, ele descobriu o que é a vida plena






Amigos do site Psicologia Racional,


Abaixo você lerá um testemunho de vida. Os números entre parênteses são comentários meus e estão no final do texto.



"Olhos abertos

Enquanto a doença não passa rente a nós, a vida nos parece infinita e acreditamos que sempre haverá tempo para lutarmos pela felicidade. Antes preciso obter meus diplomas, receber meus créditos, é preciso que as crianças cresçam, que eu me aposente... mais tarde pensarei na felicidade(1). Adiando sempre para o dia seguinte a busca do essencial, corremos o risco de deixar a vida escoar entre nossos dedos, sem jamais tê-la de fato saboreado.


É essa curiosa miopia, são essas hesitações, que o câncer vem por vezes abalar. Devolvendo à vida sua verdadeira fragilidade, ele lhe restitui seu autêntico sabor (2). Algumas semanas depois de receber o diagnóstico de câncer no cérebro, tive o sentimento estranho de que tinham acabado de retirar as lentes cinzentas que velavam minha vista. Um domingo à tarde, eu olhava Anna no pequeno cômodo ensolarado de nossa minúscula casa. Ela estava sentada no chão, ao lado de uma mesa baixa, tentando traduzir poemas do francês para o inglês, com um ar concentrado e calmo. Pela primeira vez eu a via como ela era, sem me perguntar se eu devia ou não preferi-la em vez de uma outra. Eu via simplesmente sua mecha de cabelo caindo graciosamente quando ela inclinava a cabeça sobre o livro, a delicadeza de seus dedos segurando tão levemente a caneta. Estava surpreso por nunca ter notado (3) a que ponto as imperceptíveis contrações de seu queixo, quando ela tinha dificuldade para encontrar a palavra que procurava, podiam ser comovedoras. Tinha a impressão de vê-la de repente tal como ela era de fato, liberada de minhas questões e minhas dúvidas. Sua presença se tornava inacreditavelmente enternecedora. O simples fato de poder partilhar aquele instante me surgia como um privilégio imenso (4). Como eu pudera deixar de vê-la assim antes (5)?







...

Assim, a proximidade da morte pode trazer às vezes uma espécie de libertação. À sua sombra, a vida adquire de repente uma intensidade, uma sonoridade, um sabor - todos desconhecidos. Bem entendido, chegada a hora, não há como não ficar terrivelmente triste por ir embora, como quando se tem de dizer adeus para sempre a uma pessoa amada. A maior parte de nós teme essa tristeza. Mas, no fundo, o mais triste não seria partir sem ter provado o sabor da vida? O mais terrível não seria, no momento de deixar a vida, não ter nenhum motivo para ficar triste? De minha parte, nunca tinha encarado o mundo sob este ângulo (6)".

Do livro Anticâncer, pag. 42 e 43


Cometários:

(1) As pessoas pensam muito em felicidade. Grande parte acredita que felicidade é igual a realizar desejos e atingir alguns objetivos. Não, não é. É mais do que isto. Ao invés de pensar em felicidade, pense em vida plena. O conceito "vida plena" é melhor porque cada um tem sua cruz e nem sempre a vida está isenta de grande desafios. Viver plenamente a realidade e suas potencialidades. O autor descreve com muita simplicidade o que é uma vida plena, que vai muito além da vida de desejos, fantasias e do foco no futuro.

(2) “Devolvendo à vida sua verdadeira fragilidade, ele lhe restitui seu autêntico sabor”. Observe esta frase! Fragilidade: a vida plena é frágil, pois é a entrega e a aceitação. Vida plena contém menos bloqueios, menos condicionamentos, é a abertura para a vida completa. É uma vida ativa, uma vida que todos podem praticar para alcançá-la. A mente do autor descobriu uma forma diferente e mais eficiente de viver. Ele ficou encantado! A vida plena é a vida completa.

Sobre a fragilidade: o caminho mais difícil é o mais usado hoje em dia: a megalomania. Pense bem na frase: “você pode ter tudo o que você quiser”. Qualquer criança sabe que isto não é verdade. Todos os pensamentos megalomaníacos servem dar um pouco de motivação para os seres humanos que estão distantes da vida plena. Todavia, há um preço a pagar. Um preço caro! A vida plena é o oposto da megalomania. Na vida plena você sabe que você é frágil, pequeno e que não é o centro de nada. Mas, em compensação você é completo e não despreza nada. Você usufrui e aproveita o que existe. Vive intensamente, se abre para aprender e para a sabedoria.



Clique em "Curtir Página" para curtir nossa página



(3) Ele descreve como saiu de um “sonho” e passou a viver o que é real. Vivia preso em suas fantasias, traumas, condicionamentos – desprezava o que estava na sua frente. Chamamos este fenômeno de INTENSIFICAR A VIDA.

(4) Ele entrou em um estado de consciência clara, a vida plena. Sua vivência se focou no presente, no que existe. Com isto do seu interior começou a FLUIR sentimentos, sabedorias e experiências mais intensas e satisfatórias.

(5) “Como eu pudera deixar de vê-la assim antes”? O autor estava “dormindo” em suas fantasias, era um desperdiçador. Este "dormir" gera dúvidas, angústia, insatisfação, etc. As pessoas tentam compensar esta limitação e ausência de vida/energia com fantasias, desejos e “querer”. Por isto as pessoas adoram as teorias megalomaníacas, tipo “o universo conspira a seu favor”. Raciocine comigo: a pessoa despreza o que está ao seu lado, mas não percebe isso - vive um vazio e procura compensação – acredita na ilusão de que o universo, todo ele, age a seu favor. É muito primário. Deus projetou a vida para nos oferecer condições de enfrentar os desafios e aprender. Podemos aproveitar os recursos e o caminho que Ele indicou. É nossa responsabilidade. O que Deus quer é que nosso espírito evolua, só isso.  É simples: se o autor tem uma esposa, nada melhor que viver intensamente este vínculo, assim poderá aprender mais. Nada de conspiração. Apenas aproveitar o que está no “focinho” e ir aos poucos dinamizando o vínculo e superando os obstáculos. É isto que o autor mostra.

(6) A morte coloca tudo na dimensão de importância que as coisas têm para o espírito. Este choque de prioridades ajuda a redimensionar as escolhas da mente e as posturas frente à vida. Este fenômeno foi muito bem descrito no texto, por isto o selecionei. Mais explicações leia o blog Caminho Nobre: http://caminhonobre.com.br/




Eu agradeço muito se você recomendar esta postagem no G+, curtir no Facebook, retuitar ou mandar o link via email.




Não espere o sofrimento chegar. 
Se prepare com o livro "A Espiritualidade no dia a dia"







Leia também:








Quando você morrer sua vida vai passar diante dos seus olhos. Cuidado!



Para você que está conhecendo o site PSICOLOGIA RACIONAL: este site se propõe a ter textos originais que discutam assuntos do cotidiano. São textos que podem servir para reflexão sobre a vida que cada um leva. Com isto espero contribuir um pouco com você.

Para manter contato sugiro que você coloque este site entre seus favoritos. No final da página tem um lugar para digitar seu email, para receber as novas postagens no seu email. Você também pode se tornar seguidor.

Sinta-se em casa para comentar ou mandar email.

Uma dica legal é pesquisar usando os temas dos marcadores, na faixa a esquerda do site. Através deles você terá acesso a muitos textos (hoje são mais de 350).





Um comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...