segunda-feira, 11 de junho de 2012

Um bom exemplo de como os adultos empobrecem a própria vida. Dicas para voltar a ser feliz como na infância.




Um bom exemplo de como os adultos empobrecem sua própria vida







O melhor caminho para a felicidade é ser completo. Pois, desta forma as qualidades se complementam e se reforçam mutuamente.

Estando completa a pessoa pode agir com equilíbrio, colaborando consigo mesmo e com quem está ao seu redor.

Os desafios variam muito de pessoa para pessoa. Por exemplo, alguém que pratica a caridade em excesso pode deixar de lado sua função de educar e acompanhar seus filhos. A solução para manter a intensidade da caridade sem se distanciar da família pode ser, por exemplo, desenvolver qualidades de liderança. Sendo líder, ela poderá criar um grupo onde todos colaboram e ninguém seja excessivamente exigido.


(Observe que onde havia uma qualidade - servir/caridade - passou a ter duas qualidades - servir + liderança. A pessoa tornou-se mais completa.)

Ser completo exige que a pessoa use as habilidades infantis, mesmo quando já é adulta. Aliás, uma das formas mais comuns de empobrecimento da vida é esquecer a forma de viver na infância.

Observe a situação real: a mãe observa seus filhos felizes e alegres por estarem brincando. A mãe comenta com um dos filhos que gostaria de ser criança e voltar a brincar que nem eles. O filho não entende a colocação da mãe e diz que se ela pode brincar junto. A mãe se inibe toda e fica parada apenas observando.

Esta é a característica da vida adulta: o corpo progressivamente fica com menos movimento e cada vez mais sai da posição de experimentação para a postura de observação.

É uma transição lenta e considerada normal por todas as pessoas.

A criança é experimentadora porque a natureza a “obriga”. Ao longo dos anos, a criança deveria aprender a experimentar por si mesma. Experimentar é a base da brincadeira. Pois experimentar é o fazer, o construir, o refazer, o tentar, o se mexer, o se envolver, etc.





Quando a adolescência chega, o experimentar continua forte, mas nasce um grande competidor: o desejo de criar uma imagem social que mantenha o orgulho em alta (identidades). Neste momento, o adolescente começa uma lenta transição que faz com que ele, quando adulto, abandone o experimentar, imobilize o corpo e vire observador (não fossem todas as obrigações, a maior parte dos adultos não “faria nada”).

A criança dentro de cada adulto fica adormecida. Adormece porque o modelo de funcionamento delas ficou esquecido. A pessoa lembra que era feliz, mas não sabe exatamente o porquê. Sonha com a vida irresponsável e inocente das crianças porque desejam perder as obrigações. Na realidade, sem as obrigações ficariam muito mais paralisadas. É uma vida cansada e desgastante, nada a ver com a vida energizada da criança.

A energia da criança é dada pela natureza, mas é amplificada pela sua postura. Experimentar, se envolver, participar e mexer o corpo são métodos fantásticos de revitalização do corpo.





Nenhum adulto precisa agir como uma criança, mas precisa integrar as qualidades de criança em sua vida.

Lembre: saia da posição de observador, nada desgasta mais o ser humano do que esta posição. Volte a experimentar! Aos poucos, com treino, você aprenderá a retomar esta capacidade; pois a experimentação abrange principalmente as pequenas coisas da vida. E, estas pequenas coisas, muitas vezes são as mais importantes e as mais esquecidas.

Uma leitora do site Psicologia Racional manda um email interessante. Ela poucas vezes encontrava com as amigas. Incentivada pela leitura deste site, ela pensou: "como posso voltar a brincar com minhas amigas?" Elas decidiram que fariam a alimentação juntas uma vez por semana. Nada de restaurante - lá seriam consumidoras e observadoras, com o corpo paralisado nas cadeiras. Elas se reúnem na casa de uma delas e cozinham juntas. Levam os filhos, bebem, dão risada, falam besteiras, comem juntas e passam momentos de profunda satisfação.

Elas foram criativas e adaptaram o brincar para sua rotina de vida e suas necessidades. São mais felizes e mais ativas. Vitória da felicidade e do fazer em conjunto - brincar.


PS: não se esqueça de que ser “sem vergonha” é uma qualidade e uma das habilidades mais necessárias para voltar a experimentar.

Autor: Regis Mesquita
Twitter: https://twitter.com/mesquitaregis



Conheça e curta a página Psicologia Racional no Facebook



Dicas para voltar a ser feliz como na infância






Você também poderá gostar:

Um ano sem comprar nada. Uma família aceitou este desafio. Veja o que aconteceu.

Saiba como os adultos transformam-se em infelizes e insatisfeitos

Estratégias para viver melhor e sem ansiedade. Aprenda a usar as refeições para ter mais satisfação e comer menos.

A Terapia de Vidas Passadas é eficiente?

O Ego precisa de certezas

O esforço mínimo está em fazer bem feito 


A arte de bem viver: jamais desprezar o que é bom

Corrupção: a verdade aparece quando há coragem para observar e investigar




Atenção: 

receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição). Outra opção é você se tornar seguidor do site.

É simples! É rápido! É fácil!




Adulto precisa a voltar a brincar para ter dinamismo e superar a depressão







Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...