sábado, 16 de abril de 2016

Preguiça: a arte de tornar tudo difícil



Henry Ford: existem mais pessoas que desistem do que pessoas que fracassam





Qual é a principal característica da preguiça? A pessoa preguiçosa tem grande capacidade de tornar tudo difícil.

Cada movimento da vida dela é complexo e pouco recompensador. O resultado é um círculo vicioso onde a falta de recompensa aumenta a preguiça e a preguiça gera muito desgaste e pouco ganho.

O ser humano possui muitas formas de se boicotar. A preguiça é uma das formas mais populares.

Um bacharel em direito prestou a prova da OAB durante sete anos seguidos e não passou. Um esforço espetacular! Ao todo, o sujeito preguiçoso fez muito mais esforços para NÃO passar do que um colega que estudou bastante e passou da primeira vez que prestou a prova. Chega-se a uma conclusão que parece absurda: a maioria dos preguiçosos são sujeitos que acabam se esforçando muito para pouco usufruto. 

Se um aluno aprende muito bem uma matéria, ele terá facilidades. Esta facilidade estará longe do preguiçoso. Para ele sobrará a dificuldade.






É comum o preguiçoso parar suas atividades antes do tempo ótimo. O tempo ótimo é o tempo necessário para "frutificar". Exemplo: o preguiçoso se esforça para aprender o conteúdo da matemática. Ele desiste um pouco antes de realmente aprender a matéria. Todo seu esforço foi perdido. Ao voltar a ter contato com a matéria saberá pouco e terá muita dificuldade. 

A regra para uma vida fácil é exatamente o oposto. Dê intensidade ao que está fazendo. No caso do aprendizado: quando souber a matéria continue com o estudo, pois será no momento de facilidade que você realmente aprenderá (ganhará as habilidades para executar a tarefa facilmente em várias outras oportunidades).


O preguiçoso é um frustrado


Com raras exceções, o sujeito preguiçoso é um frustrado. Ele observa outras pessoas próximas (irmãos, amigos, vizinhos, etc) conquistando algumas vitórias. Ele olha para si e vê pouquíssimo resultado de seus esforços. O resultado: que preguiça!

Ele se torna profundamente desconfiado e desmotivado. Como ele vai confiar que algo realmente dará certo? Esta desmotivação e desconfiança o faz desistir mais cedo.

Imagina uma pessoa que sobe na bicicleta e dá duas pedaladas e para. Ele faz isto mais de cinquenta vezes. Qual o resultado? Nenhum. Não irá a lugar nenhum. Não terá prazer (ou terá pouco prazer). Ficará entendiado e, por fim, desistirá. Da próxima vez que pensar em andar de bicicleta terá pouco ânimo - preguiça. 


Saindo do ciclo vicioso da preguiça


O preguiçoso não deve (inicialmente) se exigir muita mudança. Escolha um ou dois objetivos para mudar.

Se exija transformar objetivos em facilidades e consequências positivas.

Explico: o sujeito quer emagrecer e quer fazer exercício. Foque em correr, esqueça o emagrecimento. Sua meta pode ser correr cinco quilômetros cinco vezes por semana. Esta meta permitirá ganhar condicionamento físico, bem estar, mais energia e disposição, etc.

Ou seja, o preguiçoso deve ter muito claro qual é o nível que deve chegar e por quanto tempo deve ficar ali para que o esforço se transforme em resultado positivo e facilidades.

O foco deve ser: quero uma vida na qual as facilidades sejam vitórias reais que gerem uma vida melhor por um longo tempo.

A facilidade: sentir que é fácil e prazeroso correr cinco quilômetros.

A facilidade que o preguiçoso busca é a desistência. Por exemplo: ele estuda o mínimo e sente prazer quando desiste de estudar e fica deitado vendo televisão. É uma vida momentaneamente mais fácil. Só que não gera outras facilidades que duram toda a vida.

O preguiçoso tem que aprender a arte de realmente curtir a vida. Devem existir algumas áreas da vida em que ele dará INTENSIDADE (vários textos sobre intensidade).

Resumindo: escolha uma ou duas metas. Tenha claro qual o objetivo a ser atingido a fim de gerar facilidades na sua vida. Dê intensidade nestes pontos. O resultado tem que ser a meta cumprida, serviço bem feito e facilidade conquistada.

(Aprofunde com este texto: O esforço mínimo está em fazer bem feito )








Como posso ser útil?


Junto com a preguiça vem, constantemente, o egoísmo e a má vontade.

São dois poderosos agravantes do problema.

O egoísmo é reforçado porque é a forma da pessoa "não enxergar" o que poderia estar fazendo. Por exemplo: o carro está cheio de compras do supermercado. O preguiçoso "não percebe" que pode ajudar a tirar as compras. É uma forma de não fazer nada.

Ou seja, ele fica limitado em "seu próprio mundo". Limitado, ele não percebe as necessidades alheias - egoísmo.

Má vontade: se alguém o chama para ajudar a tirar as compras do carro o resultado é a má vontade. Não há disposição, satisfação e nem bem estar em ajudar.

Se você é um preguiçoso preste atenção nesta frase: "como posso ser útil?" Ela te ajudará a retomar o dinamismo e a boa vontade.

"Como posso ser útil" te ajudará a sair do egoísmo e aumentar a área de atuação da sua consciência.

É uma técnica que ajudará não só os preguiçosos, mas todas as crianças e adolescentes. Elas tem que ser criadas aprendendo a serem úteis para serem pessoas dinâmicas e com boa vontade (leia mais neste texto)


A preguiça também pode ser boa


É verdade! Em alguns momentos a preguiça é extremamente bem vinda. Nos momentos de cansaço, nos momentos em que é preciso dar um basta para o trabalho ou outras responsabilidades.

Deitar e ficar atoa. Muitas pessoas tem grande dificuldade de realizar este ato. Vivem estressadas demais para se aquietarem. Os preguiçosos podem incentivar estas pessoas a ficarem atoa em paz.

A preguiça também pode ajudar a encontrar soluções criativas. O preguiçoso é criativo para mentir e encontrar desculpas e culpados. Mas, pode ser criativo em outros momentos: na cozinha, no trabalho, etc. O preguiçoso quer sempre encontrar uma forma de terminar mais rápido o trabalho (normalmente faz porcaria ou deixa pela metade). Ele pode estabelecer metas: "vou fazer bem feito e de um modo mais fácil e rápido". As vezes eles descobrem formas de fazer o serviço que ninguém pensou antes.

A preguiça ajuda no descanso. A preguiça pode ajudar na criatividade e inovação. E a preguiça ajuda as pessoas ficarem juntas, se curtindo.

Casais muito ativos podem diminuir o contato físico e a intimidade. Os preguiçosos acabam compartilhando mais e ficando mais próximos.

Famílias que curtem os momentos de preguiça juntos também criam mais interação. Um dos problemas familiares atuais é o excesso de atividades que ocupam o tempo e a energia das pessoas. O contato fica mais difícil. A preguiça serve de limites para esta vida "corrida". Traz as pessoas para mais perto; afinal, é muito melhor fazer nada juntos.



Dicas, pensamentos e mensagens do site Psicologia Racional


  Clique em "Curtir Página"


Tudo na vida tem um lado positivo. Neste caso, o lado positivo é bem menor que o negativo. Viver desmotivado, colecionando fracassos não é nada bom.

Quando um preguiçoso observa um amigo ou irmão crescendo na vida, ele cria uma determinação interior de vencer também ou aumenta sua preguiça?

Aumenta a preguiça. É por isto que quem quer vencer a preguiça deve criar condições de ser vencedor (fazer bem feito) em alguma coisa. Este é o ponto central que pode mudar a vida dele.


Se aprofunde no tema:
O poder da preguiça em aumentar o trabalho e o esforço


Autor: Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis


Gostou deste texto? Compartilhe com seus amigos.




Leia também:



















PS: agradeço às pessoas que acompanham o site Psicologia Racional, seja recebendo as mensagens via email, sendo seguidoras ou visitando-o de vez em quando. De “boca em boca” os números estão aumentando. Sua participação na divulgação do site é fundamental. Obrigado!




Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções.


2 comentários:

  1. Eu me considero uma pessoa preguiçosa e isso está trazendo infelicidades em minha vida e me deixando mais frustrado a cada dia que passa. Eu não estou sendo produtivo e útil e isso acaba comigo eu não estou vivendo mais, só fico de passagem assistindo todos subindo na vida e eu inerte com raiva de mim mesmo

    ResponderExcluir
  2. Teu texto tá ótimo, tô procurando tudo na net sobre preguiça, infelizmente acho coisas do tipo "se esforce mais",
    Infelizmente a coisa a mim é mais complexa, é uma preguiça advinda de um transtorno mental, depressão também, morbidez
    É terrível e não há dicas miraculosos que resolvam
    Seria bom analisar a preguiça do ponto de vista depressivo pra quem tenha sintomas do transtorno bipolar ou esquizofrenia

    Sei que eu tô encrencado
    A preguiça chega à inanição.
    Tô desenvolvendo meu próprio método nos momentos de ânimo
    :)

    parabéns

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...