domingo, 4 de outubro de 2015

Notícias negativas atraem mais leitores. Lady Gaga com carne na cabeça, Britney Spears e os paparazzis, Amy Winehouse e as drogas




Notícias negativas atraem mais leitores. Sem autocontrole as pessoas escolhem o negativo






Abaixo segue a informação de uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Notícias ruins atraem mais leitores do que as positivas ou neutras, constatou pesquisa ... da UFMG ... A partir da análise do conteúdo de 69.907 manchetes produzidas por quatro veículos online – The New York Times, BBC, Reuters e Daily Mail – durante período mínimo de oito meses consecutivos em 2014, os pesquisadores observaram que cerca de 70% das notícias diárias estão relacionadas a fatos que geram sentimentos negativos, como catástrofes, doenças, crimes e crises.”


“Descobrimos que a popularidade da notícia está fortemente ligada ao sentimento gerado por ela”, afirma o professor Fabrício Benevenuto...”

O resultado:  “quanto mais positiva ou negativa, mais cliques recebe uma manchete. “Ainda que o extremo positivo também desperte muito interesse, as notícias de maior apelo são as de caráter negativo”, resume Benevenuto. “

“Pensamos que uma notícia positiva levaria as pessoas a fazerem comentários do mesmo teor, mas isso não acontece. Há uma tendência de o comentário ser negativo independentemente do sentimento gerado pela manchete”, comenta o professor Pedro Vaz de Melo”


Comentário do site Psicologia Racional

O negativo atrai as mentes que funcionam de modo reativo – Mente Reativa (saiba mais lendo estes textos). É a mente da imensa maioria das pessoas. Precisam do negativo da mesma forma que a planta precisa de água. O problema se agrava porque as pessoas não se veem como negativas.

A necessidade do negativo é tão grande que boa parte dos cantores e artistas em geral precisam gerar fatos negativos ou bizarros para se manterem famosos e com o público interessado na vida e obra deles.

Amy Winehouse, por exemplo, tinha uma voz fantástica, era uma grande artista. Morreu por causa do vício nas drogas.

A cantora vivenciou outro problema: seu vício a tornava mais famosa e mais comentada.  As pessoas são muito interessadas em notícias negativas e a Amy W. lhes proporcionava muita negatividade; graças à droga a cantora ficou mais famosa. Ela era notícia certa, por causa de suas atitudes. Foi o casamento de um público que gosta do negativo com a cantora que oferece o negativo. O resultado foi a manutenção constante de seu nome em evidência. A droga (e o estilo de vida exibicionista) gerava ganhos: “alimentava” o ego e dava sensação de poder. Um ciclo destrutivo.

Notícias negativas ou desprezíveis chamam a atenção. Quem já é famoso fica mais famoso. Quem produz notícias neutras ou positivas corre o risco de ser esquecido. Nem todo compositor consegue ter o sucesso da um Chico Buarque que compôs centenas de sucessos ao longo de décadas de vida. A maior parte fica do intermediário para baixo. Para estes, a sedução do negativo é muito maior.

O que faz a cantora Britney Spears chamar os paparazzis a cada saída de casa? Ou raspar a cabeça em frente a eles? Necessidade compulsiva de ser vista, notada, cortejada. Se ela fosse simplesmente feliz, NÃO SERIA NOTÍCIA. Notícia é: a desgraça, o excêntrico, o fuxico, o diferente... Algumas vezes a notícia é o sucesso, a felicidade... Sempre, porém, o negativo é notícia. De acordo com a pesquisa da UFMG, informações negativas atraem mais a atenção das pessoas.




Lady Gaga, a cantora hiperfamosa, botou uma carne na cabeça e foi se exibir para os fotógrafos. Imagine o desconforto, só para aparecer. Famosa, rica, bem sucedida, poderia optar pelo conforto. Não, isto não vira notícia, e ela é viciada nisto. Vício...

Observe bem: o que sustenta uma carreira como a da Lady Gaga são suas músicas, sua habilidade musical. O problema se agrava quando outras pessoas conquistam espaços e a musicalidade já não sustenta a fama. A necessidade compulsiva de aparecer gera atitudes desequilibradas.

Sem equilíbrio - SEM COMPLETUDE - a pessoa aos poucos transforma o positivo em negativo (saiba mais).

Regra da vida: positivo que não gera outro positivo, gera um negativo.

Funciona assim: ser dinâmica protege a pessoa da preguiça. Todavia, se ela não tiver autocontrole, ela ficará extremamente atarefada e estressada.  Ou seja, pessoa dinâmica que desenvolve o autocontrole não gera stress para si. Se não tiver o positivo (autocontrole) terá o negativo (stress). Uma qualidade positiva (dinamismo) deve servir como base para gerar outra qualidade positiva (autocontrole).

Lembre: toda qualidade positiva deve gerar outra qualidade positiva. Caso contrário gerará o negativo.

A Amy W. era desequilibrada, mas ótima cantora. Usou e abusou das escolhas que geram satisfação apenas para o ego: orgulho, vaidade, ganância, exibicionismo, etc. Pagou um preço caro, como pagam todos que abusam destes elementos. Um dos mais fortes resultados deste coquetel é a autodestruição.

Suponhamos que ela fosse uma ótima cantora e equilibrada. Ela seria menos famosa, menos conhecida e menos "bajulada".  Ou seja, se a cantora usasse sua habilidade musical para desenvolver satisfação e equilíbrio, ela teria o preço da fama menor.

A questão é que em uma sociedade negativa, são coisas "polêmicas" que chamam a atenção, as pessoas comentam e é assim que se vende livros, filmes, músicas, etc. Este foi um grande incentivo para que as habilidades positivas da cantora reforçassem o desequilíbrio.

Em uma sociedade negativa pouco vale ser feliz, ter uma família legal, uma boa índole, estar satisfeita. Nada disso vale mais que uma ou outra notinha nos sites. A população pessoas negativas (o público) se liga mesmo em situações negativas ou polêmicas (veja o caso da cantora Sandy Lima que, desaparecida do público, resolveu ser "ousada" e falar de sexo anal).

Para algumas pessoas é um martírio ser talentosa.  A vida pode se tornar um inferno quando junta ego desequilibrado, valores negativos e seduções mil.

Qual a maior qualidade de uma Lady Gaga? Milhões de meninas americanas assistiam televisão e sonhavam serem famosas. Enquanto elas sonhavam, a Lady Gaga se esforçava aprendendo tocar piano. Depois foi mais ousada: começou a compor músicas. Gastou milhares de horas treinando e compondo. Uma lutadora! Capaz de produzir porque antes teve anos de dedicação e de prazer com a música.

Este é o grande exemplo destas pessoas: capacidade de produzir - serem ativas. As outras meninas americanas reduziram a própria vida sendo apenas consumidoras e sonhadoras. Sonhar muito, desejar muito e produzir pouco - este é o mal da maior parte das meninas/mulheres americanas e ao redor do mundo (e do Brasil).

Esta força de vontade inicial deveria ser usada para gerar uma vida equilibrada. Prisioneiros da vaidade, orgulho, etc. esta força de vontade é usada para produzir desequilíbrio.

Você pode não acreditar, mas este mesmo processo ocorre dentro de você. Perceba os sinais de desequilíbrio e observe a negatividade agindo dentro da sua vida. Preste atenção, e lute para gerar uma vida melhor para si mesmo.


Autor: Regis Mesquita


Inspire outras pessoas. Recomente esta postagem.



Leia também:













Compartilhe este texto com seus amigos e familiares.

Ajude a espalhar informação sadia e construtiva.



Fique atento:

receba no seu email os novos textos do site Psicologia Racional.

Na coluna da direita existe um lugar para você digitar seu email. Depois você receberá um email de confirmação: clique no link e pronto. Todas as novas postagens serão mandadas para você.

É simples, fácil e útil.


Desenvolva suas potencialidade e você será único, inigualável, interessante.



Para refletir:

Mal do século:
Sonhar muito, desejar muito e produzir pouco.
As pessoas escolhem ser expectadoras e seguidoras ao invés de construtoras.
Reduzem a própria vida; portanto, reduzem sua satisfação.
Aumenta a ansiedade, a insatisfação, a depressão e a alienação.
Já que não possuem muita satisfação, precisam da excitação.
Precisam de uma novidade atrás da outra, por exemplo.
A satisfação é permanência, se não tem permanência sobra espaço para novidade constante.
Exemplo: uma pessoa que adora jogar futebol não terá tempo e interesse em “experimentar aquele jogo novo que o ator disse...”
É com pouca satisfação que se cria a “geração seguidora” (conheça mais dela aqui).





Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções



Um comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...