quarta-feira, 18 de abril de 2012

Games violentos, hiper-estimulação e as mudanças no cérebro da pessoa











Leia a noticia abaixo, depois eu comento:


Games violentos alteram funções do cérebro de jovens, diz estudo


Os videogames violentos alteram as funções cognitivas e emocionais do cérebro de jovens em apenas uma semana, segundo dados apresentados nesta quarta-feira (30) pela Sociedade Radiológica da América do Norte (RSNA, na sigla em inglês).


"Pela primeira vez percebemos que uma amostra aleatória de jovens adultos evidencia menos ativação em certas regiões frontais do cérebro depois de uma semana jogando em casa", disse o professor Yang Wang, pesquisador da Universidade de Indiana.



O estudo, que utilizou os dados procedentes de ressonâncias magnéticas, submeteu à análise 22 homens entre 18 e 29 anos, que foram separados em dois grupos iguais.


Um grupo jogou videogames de tiro em primeira pessoa durante 10 horas ao longo de uma semana para na seguinte não jogar, enquanto o outro grupo se manteve isento desta rotina durante esses 14 dias.


Para obter dados comparativos, os indivíduos que jogaram durante a primeira semana foram submetidos a uma ressonância magnética enquanto realizavam várias tarefas.


Este grupo mostrou uma menor ativação do lóbulo frontal inferior ao realizar as provas emocionais com palavras de ações violentas e não-violentas, e também uma redução da atividade no córtex na hora de desempenhar tarefas numéricas. Na semana seguinte, livre dos games, essas mudanças cerebrais diminuíram.


Segundo o professor Wang, os resultados demonstram que os jogos violentos têm um efeito a longo prazo nas funções cerebrais.


Fonte: Globo.com



Comentário do site Psicologia Racional:

O cérebro é um órgão plástico que responde rapidamente ao que é estimulado. 

Esta capacidade de adaptação não é absoluta. Pois, quando uma área é estimulada outras áreas ficam "desligadas". Ou seja, uma memória compete com outra, uma área do cérebro compete com outra e assim por diante. Quando a pessoa tem uma hiper-estimulação de jogos de games, o próprio cérebro inibe outras áreas para focar naquelas que estão sendo exigidas durante os jogos.





Com a memória acontece o mesmo. Popularmente se diz que pessoas que estão com a "cabeça cheia" tem mais dificuldade de prestar atenção. É porque a mente já está ocupada com algumas memórias, enquanto outras estão "inibidas".

O que o estudo acima identificou é o efeito da hiper-estimulação no cérebro humano, qualquer tipo de hiper-estimulação. O problema não são apenas games violentos.

Observe os noticiários da Tv: é só negatividade. No mesmo dia em que o Jornal Nacional escolhia para mostrar bombas em outros países e inundações do outro lado do planeta, no Brasil era realizado um grande encontro de agricultura natural. As conquistas da agricultura natural foram mostradas no telejornal? Lógico que não. Pois notícias positivas motivam as pessoas; pessoas motivadas vão agir e não ficam passivas frente a Tv. Negatividde desmotiva e faz as pessoas fugirem para a fantasia, ou seja, ficam passivas observando a Tv. Tudo isto são formas de estímulos que controlam sua mente e dirigem suas vidas.

Outra forma de estímulo: a sociedade narcísica-consumista é a sociedade do NÃO. Seu computador não é bom o bastante, sua barriga não é boa o bastante, sua roupa não está 100% boa, não, não, não, não. Você deve se treinar para querer o que te falta... Tudo isto é estímulo. Tudo isto fica reverberando dentro da mente das pessoas.

O vídeo game estimula respostas condicionadas, na qual a pessoa pouco raciocina e fica presa à uma excitação constante. São pessoas acostumadas a não "desligar" nunca. A excitação se mantém mesmo quando não estão jogando. Alguns ficam sempre em alerta, conectados. Outros desenvolvem uma excitação que inibe a capacidade de concentração de longo tempo. Outros vivem o tédio, sem estas estimulações. Este processo, mais uma vez, acontece mesmo com quem não usa vídeo game demasiadamente - mas cria uma vida na qual a excitação é o ponto central. 

É por isto que apesar de vivermos em melhores condições de conforto, temos muito mais stress psicológico que nossos antepassados.

Se a cultura produz hiper-estimulação, devemos aprender a diminuir esta estimulação. É neste contexto que técnicas como meditação, yoga, tai chi, dança, etc, tornam-se tão importantes.

Buscar em nós o equilíbrio que falta na sociedade é uma das atitudes mais sábias que podemos ter.

Por exemplo: experimente desligar tv, computador, vídeo game, etc e emergir no silêncio, na contemplação ou no diálogo sadio.






Uma vez propus para algumas pessoas que fizessem uma noite diferente: sem estímulos luminosos/auditivos de qualquer tipo. Eles deveriam cultivar o diálogo, a proximidade, o carinho, o olhar para o outro, o estar junto e presente. TODOS relataram paz, satisfação abundante, relaxamento profundo, cultivaram valores diferentes, melhoraram a autoestima.

O problema é que todos estão viciados em um modo de vida desequilibrado. Depois desta experiência, eles esqueceram de continuar a viver a experiência que foi tão boa. Propus, então, uma meta: que eles tivessem uma noite assim por semana.

São experiências como estas que nos mostram o quanto é importante o equilíbrio, porque precisamos fazer todas as áreas do nosso cérebro funcionar eficientemente. E, principalmente, porque precisamos cultivar aquelas experiências que são essenciais para o ESPÍRITO que habita dentro de nós.


Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis





Fique atento: receba no seu email os novos textos do site Psicologia Racional.

Na coluna da direita existe um lugar para você digitar seu email. Depois você receberá um email de confirmação: clique no link e pronto. Todas as novas postagens serão mandadas para você.

É simples, fácil e útil.






Leia também:



Auto-sabotagem: Fernando Pessoa descreve como a auto-sabotagem dirige a vida da imensa maioria das pessoas

O menino que não sabe ser feliz (desejos criando sofrimentos)




Te convido a visitar o site do meu livro:









Agradeço às pessoas que acompanham o site Psicologia Racional, seja recebendo as mensagens via email, sendo seguidoras ou visitando-o de vez em quando. De “boca em boca” os números estão aumentando. Sua participação na divulgação do site é fundamental. Obrigado!





3 comentários:

  1. Games n estimulam bosta nehuma de violencia

    ResponderExcluir
  2. na boa, se alguma pessoa ficar violenta jogando jogos de FPS, ou ela tem problemas mentais, ou é uma criança mimada. E pq uma pessoa fica violenta jogando, e fica "passiva" vendo TV? Não faz sentido! conheço muita gente que entrou no mundo do crime pelo funk e por filmes q passavam na madrugs da record. mas não conheço ninguem que fiicou assim por conta dos games... eu e meus amigos jogamos MUITOS jogos violentos desde que tinhamos 10 anos, e até hoje, somos contra qualquer tipo de violencia ao cidadão e contra qualquer tipo de roubo ou furto, cara, conheço muitos psicologos(as), pois quando eu era menor, minha mãe se formou em psicologia, e TODOS os psicologos(as) q conheço disseram o contrario do q esta escrito nessa page...
    os games não geram violencia, tudo isso q falam deles na tv, é jogada de marketing, pq a record sabe, q alguem q cresce no mundo dos games, não cresce vendo a programação alienada desses canais de merda... desculpe o meu linguajar.

    ResponderExcluir
  3. Isso tudo é verdade,principalmente no que diz respeito a concentação, conheço bem de perto vários casos de adolescentes que foram crianças brilhantes no que diz respeito a capacidade de aprendizado perderem completamente essa capacidade graças a esse jogos de videogame que hiper estimulam áreas do cérebro e deixando outras que são tão importantes ao aprendizado, com certeza, quem defende é víciado em jogos ou está ganhando muito dinheiro com isso.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...