segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Estelionato: se fazer de burro para iludir pessoas que se acham espertas. As principais características das pessoas que são enganadas por vigaristas.



Estelionato, vigaristas, como eles agem para enganar as vítimas





Você já ouviu falar do golpe do bilhete premiado? Uma pessoa chega para a outra e diz que tem um bilhete premiado da loteria. Ela diz que não sabe como receber, por isto se propõem a vender por preço baixo.

Burrinha, ela. Não é? É o que pensa a vítima do golpe. Ela acredita no que o outro diz. Pior, ela quer ganhar dinheiro fácil – ganância.


Em poucos minutos a vítima fica com o bilhete falso e o vigarista vai embora rindo, com o dinheiro no bolso.

O jogo é este. Quem engana se faz de bobo. Quem é enganado se acha esperto.
Existem golpes mais sofisticados. Envolvem empresas fantasmas, organizações fraudulentas, etc.

O que você tem que saber é que na maioria das situações os vigaristas precisam de credulidade, ganância e de ego inflado (a vítima deve se sentir em melhor condição que os vigaristas).

Abaixo trago um trecho do livro “Pense como um Freak”, editora Record.


“Prezado(a) Sr./Sra., CONFIDENCIAL:

Sou funcionário do Departamento de Energia de Lagos, Nigéria. Obtive suas coordenadas em um catalogo telefônico da Câmara de Comercio e Indústria quando buscava uma pessoa CONFIÁVEL e HONESTA para propor o seguinte negócio.

No processo de licitação de um contrato de eletrificação de centros urbanos, alguns colegas e eu superfaturamos os valores. 0 TOTAL SUPERFATURADO está seguramente em nosso poder.

Entretanto, decidimos transferir esse dinheiro, 10,3 milhões de dólares americanos, para fora da Nigéria. Assim, buscamos um parceiro estrangeiro confiável, honesto e que não seja ganancioso para usar sua conta bancária na transferência dos fundos. E concordamos em que 0 TITULAR DA CONTA FICARÁ COM 30% do valor total.

Se o Sr./Sra for capaz de efetuar a transação sem contratempos ou imprevistos, poderemos confiar no acordo. Por favor, mantenha total CONFIDENCIALIDADE e evite quaisquer vias que possam comprometer-nos aqui e assim por em risco nossa carreira.

Se for do seu interesse, por favor entre em contato conosco imediatamente neste endereço de e-mail para mais detalhes e mais fácil comunicação.”


Alguma vez você recebeu um e-mail desse tipo? Claro que sim! Provavelmente há um deles abrindo caminho na direção da sua caixa de correio neste exato momento. Se não for um funcionário, o suposto remetente será um príncipe deposto ou a viúva de um bilionário. Em qualquer caso, o autor da iniciativa está para entrar na posse de milhões de dólares, mas precisa de ajuda para extrai-los de uma burocracia rígida ou de um banco que se recusa a cooperar.






E aí que você entra. Se mandar as informações sobre a sua conta bancária (quem sabe acompanhadas de algumas folhas em branco de papel timbrado do referido banco), a viúva ou o príncipe ou o funcionário governamental poderá com segurança enviar o dinheiro para sua conta até que tudo se resolva. Existe a possibilidade de que você tenha de viajar para a África para tratar da papelada. Talvez também precise desembolsar alguns milhares de dólares em despesas iniciais. Claro que será regiamente recompensado.

Tentado pela oferta? Esperamos que não. Esse tipo de golpe é a maior fria, e vem sendo praticado há séculos, com diferentes variações. Uma das primeiras versões era conhecida como Prisioneiro Espanhol. 0 vigarista se fazia passar por uma pessoa rica encarcerada por engano ou injustamente privada dos seus bens. Uma enorme recompensa seria oferecida ao herói que pagasse por sua libertação. Nos velhos tempos, o golpe era praticado por via postal ou contatos pessoais, hoje em dia, sobrevive basicamente na internet.

O nome pelo qual em geral é conhecido esse tipo de crime é fraude da taxa antecipada, ou, mais comumente ainda, carta nigeriana ou fraude 419, número de um parágrafo do Código Penal da Nigéria. Embora a fraude da taxa antecipada seja praticada em muitos lugares, seu epicentro aparentemente é a Nigéria: são mais frequentes golpes virtuais dessa natureza mencionando a Nigéria do que todos os outros países juntos. Na verdade, essa ligação ficou tão manjada que se você digitar “Nigéria” em uma ferramenta de busca, a função automática provavelmente irá encaminha-lo para “golpe nigeriano”.

O que pode levá-lo a se perguntar: se o golpe nigeriano é tão conhecido, por que um vigarista nigeriano teria interesse em apregoar que é da Nigéria?

Foi a pergunta que se fez Cormac Herley. Cientista da computação no departamento de pesquisas da Microsoft, há muito ele vem investigando as maneiras como os fraudadores fazem uso indevido da tecnologia. Num emprego anterior, na Hewlett-Packard, um dos seus objetos de interesse eram as impressoras cada vez mais sofisticadas usadas para falsificar dinheiro.

Herley não tinha dado muita atenção ao golpe nigeriano até ouvir comentários a respeito dele vindo de duas pessoas com perspectivas diferentes. Uma delas falava dos milhões ou mesmo bilhões de dólares que esses vigaristas ganhavam. (É difícil encontrar números exatos, mas os êxitos alcançados até agora pelos vigaristas nigerianos já foram suficientes para levar o Serviço Secreto americano a criar uma força-tarefa; uma vítima na Califórnia perdeu 5 milhões de dólares.) A outra pessoa achava que esses nigerianos deviam ser muito burros para enviar e-mails com histórias tão absurdas.

Herley ficou se perguntando como essas duas afirmações podiam ser verdadeiras ao mesmo tempo. Se os golpistas são tão tolos e seus e-mails um golpe tão óbvio, como é que podem ter êxito? “Diante de uma aparente contradição”, diz ele, “a gente começa a investigar, tentando encontrar um mecanismo pelo qual ela de fato faça sentido.”

Ele começou a examinar o golpe do ponto de vista dos golpistas. Para alguém interessado em cometer fraudes, a internet foi um presente dos deuses. Ficou fácil conseguir uma infinidade de endereços de e-mail e imediatamente enviar milhões de cartas servindo de isca. De tal maneira que o custo para entrar em contato com possíveis vítimas é incrivelmente baixo.

Mas transformar uma possível vítima em uma vítima real requer uma boa dose de tempo e esforço - em geral, uma longa série de e-mails, talvez alguns telefonemas e, no fim das contas, a papelada bancária.

Digamos que para cada 10 mil e-mails mal-intencionados enviados, cem pessoas mordam a isca e respondam. As 9.900 pessoas que jogaram o e-mail no lixo não custaram nada. Mas agora o golpista começa a investir seriamente nas cem vítimas em potencial. A cada uma delas que cai em si, fica assustada ou simplesmente perde o interesse, a margem de lucro diminui.

Quantas dessas cem pessoas acabarão de fato pagando alguma coisa ao golpista? Digamos que uma delas vá até o fim. As outras 99, na linguagem da estatística, são falsos positivos.

As fraudes pela internet nem de longe são o único terreno assombrado por falsos positivos. Cerca de 95% dos alarmes de roubo atendidos pela polícia americana são falsos. O que corresponde a 36 milhões de falsos positivos por ano, a um custo de aproximadamente 2 bilhões de dólares. Na medicina, a preocupação com os falsos negativos é justificada - por exemplo, uma doença fatal que não seja diagnosticada -, mas os falsos positivos também representam um grave problema. Um estudo constatou um índice surpreendentemente alto de falsos positivos (60% no caso dos homens, 49% no das mulheres) entre pacientes que se submetiam regularmente a exames preventivos do câncer de próstata, pulmões, cólon e ovário. Uma força-tarefa chegou a sustentar que os exames preventivos de câncer de ovário em mulheres saudáveis deviam ser suspensos, pois não são muito eficazes, para começar, e além do mais os falsos positivos causam a muitas mulheres “danos desnecessários, como cirurgias”.

Um dos falsos positivos mais inquietantes dos últimos anos ocorreu no campo da segurança informática, bem conhecido de Cormac Herley. Em 2010, o programa de antivírus McAfee identificou um arquivo malévolo em uma enorme quantidade de computadores que utilizavam o sistema operacional Windows, da Microsoft. Rapidamente o programa tratou de atacar esse arquivo, fosse deletando-o ou deixando-o em quarentena, a depender da configuração de cada computador. Só havia um problema: o arquivo não era malévolo, sendo na verdade um componente fundamental da função de inicialização do Windows. Ao atacar equivocadamente um arquivo saudável, o programa antivírus levou “milhões de computadores a serem reinicializados constantemente sem sucesso”, diz Herley.

Como, então, um vigarista nigeriano pode minimizar seus falsos positivos?

Herley valeu-se de sua capacidade em matemática e informática para estabelecer um modelo a partir dessa pergunta. Nesse processo, identificou a mais valiosa característica em uma potencial vítima: a credulidade. Afinal, quem mais, senão uma pessoa profundamente crédula, enviaria milhares de dólares a um estranho em outro continente, com base exclusivamente em um e-mail muito estranho sobre uma fortuna de origem duvidosa?

Como poderia um vigarista nigeriano, simplesmente examinando milhares de endereços de e-mail, decidir quem é crédulo e quem não é? Impossível. Nesse caso, a credulidade é uma característica inobservável. Mas Herley se deu conta de que o golpista pode convidar as pessoas crédulas a se revelarem.

Como?

Mandando uma carta tão ridícula - com direito a referências bem evidentes à Nigéria - que só uma pessoa crédula poderia levar a sério. Qualquer um com um mínimo de senso ou experiência imediatamente jogaria no lixo um e-mail assim. “O golpista quer encontrar aquele sujeito que não ouviu falar de nada”, diz Herley. “Qualquer um que não role de tanto rir é exatamente aquele a quem ele quer se dirigir.”

Eis como Herley explicou a coisa em um trabalho científico: “O objetivo do e-mail não é tanto atrair usuários viáveis, mas rechaçar os não viáveis, que são em número muitíssimo maior. (...) Uma redação menos suspeita, sem mencionar a Nigéria, certamente obteria maior número de respostas e respostas mais viáveis, mas globalmente com menor proveito. Aqueles que se deixam enganar por algum tempo mas acabam descobrindo, ou então desistem diante do último obstáculo, são precisamente os falsos positivos mais arriscados, que o golpista precisa a todo custo evitar.”

Se o seu primeiro impulso foi pensar que os golpistas nigerianos são burros, talvez você esteja convencido, como Cormac Herley, de que esse é exatamente o tipo de burrice a que todos deveríamos aspirar. Os ridículos e-mails dos golpistas, na verdade, são absolutamente brilhantes quando se trata de fazer com que ... (se revelem os perfis psicológicos que eles desejam).

Dito isso, o fato é que esses homens são ladrões e escroques. Por mais que admiremos sua metodologia, fica difícil festejar sua ação. Assim, agora que já sabemos como funcionam suas jogadas, haveria alguma maneira de voltar sua metodologia contra eles próprios?

Herley acredita que sim. Ele registra com aprovação uma pequena comunidade online de “caçadores de golpistas” que deliberadamente atraem os vigaristas nigerianos para fazê-los perder tempo em longas trocas de e-mail. “Eles o fazem basicamente para se vangloriar depois”, diz. Herley gostaria que esse tipo de iniciativa se disseminasse graças à automação. “O que se pretende é construir um chatbot”, diz ele, “um programa de informática capaz de conversar com alguém. Já há algumas experiências nesse sentido - por exemplo, existe um chatbot psicoterapeuta. O desejável é construir algo que ocupe o vigarista do outro lado, conseguindo segurá-lo um pouco. Não é preciso mantê-lo conversando durante vinte trocas de e-mail, mas se toda vez ele tiver de se esforçar um pouco, já é ótimo.”

Em outras palavras, Herley gostaria que algum esperto programador se fizesse de burro para passar para trás um esperto golpista que também finja ser burro para encontrar alguma vítima que, ainda que não seja burra, seja extremamente crédula.

O chatbot de Herley entupiria o sistema de um golpista desses com falsos positivos, praticamente impossibilitando-o de encontrar uma vítima real. Seria mais ou menos como cobrir os jardins dos Vigaristas com milhões e milhões de ervas daninhas.



Atenção:

receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição). Outra opção é você se tornar seguidor do site.

É simples! É rápido! É fácil!



Leia também:












Tome muito cuidado com o vazio de uma vida muito ocupada



Acompanhe o site Psicologia Racional no





Treine ser cada vez mais forte para oferecer seu melhor



Quer ter acesso a centenas de outras imagens como estas acimas para você escolher?
Clique aqui (Facebook) ou aqui (Pinterest)



Um comentário:

  1. Quase cair nesse golpe uma vez, e não tão mal elaborado assim!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...