domingo, 30 de janeiro de 2011

Nosso cérebro muda, segundo o que fazemos, pensamos e sentimos. Exemplo de como a raiva domina a mente da pessoa.




A pedra preciosa não pode ser polida sem fricção, nem o homem aperfeiçoado sem provação. Confúcio





Amigos do site Psicologia Racional, reproduzo aqui esta interessante reportagem do jornal Folha de S. Paulo.


"Antes, acreditava-se que a pessoa só perdia neurônios durante a vida. Agora, vemos que podem brotar em qualquer fase da vida, e determinadas atividades fazem a estrutura do cérebro mudar."

Isso significa que o cérebro adulto também é plástico, capaz de ser moldado".
Não é só a meditação que é capaz de mudar a estrutura do cérebro.

Outros estudos já mostraram que o aprendizado de novas habilidades podem levar a alterações na massa cinzenta, disse Britta Hölzel, autora da pesquisa.

"Essas mudanças não são específicas para a meditação. O cérebro é plástico, e eu diria que ele muda com tudo que fazemos."

Durante a atividade física, por exemplo, são liberadas substâncias que estimulam o crescimento neuronal, diz a neurologista Sonia Brucki.


O aprendizado de novos conhecimentos também leva a essa reação. "Um outro exemplo é em caso de derrame. As regiões adjacentes à lesão podem se moldar para compensar essa perda", diz a neurologista.

No entanto, não se sabe se essas mudanças são temporárias. Um estudo afirma que alterações na estrutura do cérebro podem durar apenas algumas semanas.

Logo depois, os tecidos voltam ao estado normal. Portanto, para que as modificações durem, o cérebro precisa de constante estímulo”.


Comentário:

O cérebro precisa de estímulos constantes. De acordo com os estímulos que recebe, ele se transforma e se "molda".

O que fazemos, pensamos e sentimos é fundamental para determinar como ele será.

É por causa desta plasticidade do cérebro que técnicas mentais, como a terapia de regressão e as mentalizações, encontram maior facilidade para realizar a cura.

Quando uma pessoa mantém pensamentos fixos de raiva, por exemplo, todo o corpo e a mente (que é parte do corpo) se prepara para o momento em que a raiva será transformada em ação. Isto inclui o reforço de pensamentos e memórias ligadas à raiva e o enfraquecimento daquilo que se contrapõem a esta raiva. Observe que o cérebro passa a selecionar o que fortalece aquele comportamento e inibe o que dificulta este comportamento.

Clique Aqui
Funciona assim: imagine que a Maria está com raiva. Além da raiva, ela tem sede. Uma mulher oferece água para ela. Maria, a raivosa, terá muita dificuldade de sentir gratidão. Como a gratidão é um contraponto da raiva, a mente raivosa inibe este tipo de sentimento.

Outra situação: esta mulher bondosa dá água para Maria por cinquenta vezes. Uma vez ela esquece de oferecer a água. A raiva virá facilmente, pois a Maria já está com a raiva dinamizada dentro da sua mente.

O que acontece com a Maria? O estímulo constante da raiva e a inibição de seus sentimentos opositores (gratidão, por exemplo) farão que sejam reforçadas as ligações neuronais ligadas à raiva e e enfraquecidas as outras ligações neuronais. Ou seja, Maria fica super treinada a sentir raiva e com menos condições de sentir gratidão.

O que se descobriu agora é que além do reforço das ligações neuronais existe a possibilidade de novos neurônios surgirem e fortalecendo ainda mais determinadas funções dentro da mente da pessoa.

O cérebro funciona assim (exemplo da raiva): a pessoa desenvolve a capacidade de ter raiva ao fortalecer os comportamentos, os pensamentos e sentimentos de raiva. Ela também cria e reforça ligações neuronais ligadas à raiva e estimula o surgimento de novos neurônios em áreas do cérebro que servirão para manter forte e ativa as memórias ligadas à raiva.

Quando você xinga no trânsito, você pode ter um alívio momentâneo do stress. Mas, estará reforçando dentro da sua mente este comportamento e inibindo outros comportamentos de paz. Isto moldará sua mente e de uma próxima vez você estará treinado para xingar. Se quiser inibir o xingamento terá mais dificuldade.

Esta forma da mente se moldar cria doenças e sofrimentos. O oposto também é verdadeiro: doenças e sofrimentos podem ser evitados.

DICA: a melhor forma de criar uma mente serena, calma e saudável é desenvolvendo sua sensibilidade e explorando os sentimentos e sensações mais nobre. Para atingir este objetivo sugiro que você leia e estude o livro "A Espiritualidade no Dia a Dia" (clique aqui).

Mantenha sua mente saudável, mantendo-a focada nos sentimentos e vivências mais nobres. É isto que você tem que fortalecer no seu interior.

Autor: Regis Mesquita
https://twitter.com/mesquitaregis



Receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição).
É fácil! É simples! É importante!


Dicas, pensamentos, mensagens e novidades do site Psicologia Racional






Para você que está conhecendo o site PSICOLOGIA RACIONAL: este site se propõe a ter textos originais que discutam assuntos do cotidiano. São textos que podem servir para reflexão sobre a vida que cada um leva. Com isto espero contribuir um pouco com você.

Para manter contato sugiro que você coloque este site entre seus favoritos. No final da página tem um lugar para digitar seu email, para receber as novas postagens no seu email. Você também pode se tornar seguidor.

Uma dica legal é pesquisar usando os temas dos marcadores, na faixa a esquerda do site. Através deles você terá acesso a muitos textos (hoje são mais de 350).






Um comentário:

  1. oi. interessante esta colocação sobre o cérebro,
    mas imaginando dessa forma; o meu deve ser de "Titânio" pois analisando meu conteúdo cefálico, vejo que não mudei em nada.
    Apenas me surpreendo quando leio artigos como estes mas com tudo foi bem legal e proveitoso.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...