sábado, 14 de junho de 2014

Família: cinco dicas para viver em paz



tenha paz e amizade na sua família





Há cerca de dois anos fiz uma consultoria para uma empresa para avaliar razões das faltas ao trabalho, desmotivação dos funcionários e dificuldade de proporem soluções (inovar).

Um dos problemas diagnosticados foi o stress por tédio ou desavença familiar. O reflexo destes problemas sobre o corpo e a mente dos funcionários ajudavam a adoecê-los e desinteressá-los.

A família está tão presente na mente das pessoas que reflete em todos os lugares onde estiverem. A família é o "campo de treinamento" para a vida.

Esta semana uma jornalista me relembrou esta consultoria ao me pedir uma entrevista. Seu pedido foi: "você consegue sintetizar em cinco dicas como podemos ter uma família vivendo em paz"?


Regra 1-

Treine todos para servir.

Família é coletividade e a função da coletividade é tornar a vida mais simples e mais fácil. Pense: uma pessoa vai à padaria e compra pão para cinco. Ou os cinco vão cinco vezes à padaria?

O servir é a base de uma constante simplificação da vida. A educação dos filhos deve se basear neste princípio.



Regra 2 -

Use palavras nobres para o diálogo e o entendimento ficar mais fácil

O uso de termos nobres permite o entendimento das interrelações entre todas as variáveis da vida. O egoísmo, o rancor, a inveja são incentivados sempre que a realidade fica desconectada. Ou seja, o egoísmo é incentivado por uma visão parcial da realidade.

Exemplo: uma criança é responsável por dar comida para os cachorros. Se ela perceber somente o trabalho, ela pode ter preguiça e má vontade. Se perceber a oportunidade de ajudar, a oportunidade de gerar felicidade e bem estar, ficará mais fácil ter responsabilidade. ("você já deixou seus cachorros felizes hoje?" - associando o trabalho de alimentar os cachorros com amor, felicidade e amizade. Fica mais fácil para a criança entender a importância da sua ação.)

Atenção: a regra aqui é FAÇA. Não adianta falar, repetir, falar de novo. Faça! A pessoa aprende a servir, servindo. Aprende a amar, amando. E assim por diante.



Regra 3 -

As fraquezas dos outros devem ser amparadas

Casal tem muito disso: "ela me enche com estas coisas sem importância..." Eu digo: "se é sem importância para você e é importante para ela, faça o que ela quer". Para que discutir por algo que é sem importância?

Nós estamos encarnados no planeta Terra porque ainda somos imaturos. Temos, portanto, muitas infantilidades e inseguranças. A identificação destas dificuldades deve ser motivo para amparo, apoio, orientação e sacrifício pessoal.

Nunca uma família vai ser 100%. Para criar uma família recheada de paz e amor deve-se ter claro que haverão desafios. É fundamental haver sacrifício - perder onde o outro não consegue propiciar algo bom. A finalidade do sacrifício é preservar o que é o melhor. Ou seja, perder no varejo para ganhar no atacado. Manter o equilíbrio e poder usufruir do que é bom.

Amparar não significa fingir ou esconder o problema. Numa casa onde um dos filhos tinha a necessidade de mentir, o pai aprendeu a dizer: "meu filho, eu sei que é mentira, mas continuarei ao seu lado, te apoiando para te ajudar a superar esta dificuldade".



Regra 4 -

Controle seus impulsos e segure a língua

Família é o lugar que por definição nos permitimos ser nós mesmos. É comum que os membros transformem esta qualidade em defeito. Explico: ser nós mesmos é ótimo, falar e fazer o que vem à cabeça é péssimo.

Isto é muito comum com mães: "meus filhos me deixam malucos. Perco o controle...". Se você está sofrendo, não é hora de educar. A prioridade é readquirir o auto-controle. Agir equilibradamente e racionalmente é fundamental.


Uma mulher sentia-se uma prostituta por causa da forma como o marido procurava sexo com ela. Ela se enraivecia e recusava o sexo. Ele se frustrava e todos dormiam infelizes. Pense simples: porque ela não serviu sexualmente o marido? Pelo menos uma pessoa poderia dormir satisfeita. Ela poderia dizer: "eu te respeito pelas coisas boas que me proporciona e por gratidão irei transar contigo. Irei me esforçar ao máximo para te dar todo prazer do mundo". No momento oportuno ela pode e deve trazer a questão básica: "você gosta de ter prazer com sexo? Eu também gosto. Só que preciso da sua ajuda para ter o prazer que mereço. Preciso que se dedique a me dar prazer da mesma forma que me dedico a lhe oferecer o melhor de mim".

Ou seja, o adiamento é fundamental para que exista uma racionalidade: eu te ofereço algo bom, também quero algo bom.

O adiamento também é fundamental porque palavras ferem rápido e as feridas demoram muito para cicatrizar.

Clique em curtir e curta a nossa página no Facebook

Regra 5 -

Intensifique o que é bom e o que é necessário

A imensa maioria do diálogo entre casais e entre família é para resolução de problemas ou conteúdos negativos. O que é bom e nobre vai logo para o esquecimento.

É a repetição dentro da família daquela regra infeliz: "se você é bem tratado, logo esquece. Se for mal tratado lembra por vários anos". É a forma de funcionamento da mente reativa.

O que é nobre tem que ser percebido, valorizado, priorizado e intensificado.

Exemplo: se a pessoa escolheu ter filhos, terá contas para pagar, trabalho e gasto de tempo. Tudo isto é inerente à escolha. Existe algo, porém, que não é inerente, que é justamente a parte nobre. Ser amigo do filho, curtir sua presença, compartilhar, trocar carinho e muitas outras coisas deve ser conquistado, ampliado, intensificado.

É uma forma de tornar a vida melhor e, desta forma, propiciar mais equilíbrio para superar as dificuldades.


Amigos do site Psicologia Racional, estas foram as cinco regras que escolhi para transmitir para a jornalista e para vocês. São regras práticas e objetivas. Coloque-as em prática e lembrem que os melhores resultados vem com o tempo.



Aproveito para convidá-los a conhecer meu livro Nascer Várias Vezes. Nele o tema família é aprofundado sob a ótica da reencarnação e da evolução espiritual.





Compartilhem a imagem acima com seus amigos.



PS: algumas destas regras estão melhor descritas em outros textos aqui no site Psicologia Racional. Use os marcadores à esquerda para navegar por temas do seu interesse. São centenas de textos à sua disposição.




Atenção: Você pode receber as novas postagens do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita, digite seu email em "receba no seu email...". Depois confirme a inscrição clicando no link da mensagem que receberá no seu email.

É fácil! É rápido! É útil!





Leia também:








3 comentários:

  1. Agradeço as dicas, Regis, são contribuições de um irmão que se preocupa com a coletividade, com seu próximo, adorei o blog, vou salvá-lo em meus Favoritos.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...