domingo, 25 de agosto de 2013

A arte de bem viver: jamais desprezar o que é positivo. Identifique os tesouros da sua vida que estão escondidos.










As imagens que ilustram este texto são do museu do Louvre, em Paris.
Estavam na Grécia, largadas e desprezadas por dezenas de séculos (SIC)(1).
Até o dia que "alguém olhou para elas" e valorizou o que elas representavam.
Onde os gregos viam entulho, os franceses viram a arte.
Os franceses viram a história, a filosofia e a arqueologia.
Estas peças viraram tesouro.



Existe uma arte de bem viver: dar valor correto a tudo o que é bom.
 As pessoas identificam com rapidez o que é ruim ou negativo.
Com muita facilidade desprezam ou não percebem o que é positivo.
O resultado são vidas confusas, com crenças malucas e profundas insatisfações.
Os franceses usaram o pensamento simples (mente neutra).
Eles valorizaram a cultura grega e seus pensadores.
Por valorizarem a cultura, puderam valorizar as ruínas desta cultura.
Se eu valorizo positivamente eu cuido, conservo, estudo.




Se eu valorizo positivamente sei que terei custo e trabalho envolvido (2).
Ou seja, milhares de estudiosos foram bancados pelo governo da França para estudarem, procurarem e preservarem estas relíquias.
Se a pessoa tem amor pelo filho, se esforçará para cuidar bem dele.
A valorização, seja positiva ou negativa, irá direcionar as ações das pessoas e de uma nação.
Por exemplo: é muito comum a negativização da realidade por parte de pessoas que não querem melhorar. A negativização da realidade gera desprezo, que por sua vez justifica a inação.
Como a França valorizou positivamente a cultura grega, eles foram até lá pesquisar, cuidar, transportar para seu país o tesouro que era de outro lugar.


Milhões de pessoas vão todos os anos ao Museu do Louvre ver estes “pedaços de pedras” e outras “velharias”.
O museu é uma grande escola, para gente de todas as idades.
Os hotéis ficam lotados, os restaurantes enchem de consumidores, as lojas vendem e o país fica mais rico e culto.
Para cada centavo investido, eles recuperam milhares de Euros.
Valorizar, cuidar, estimular, estudar e preservar geram cadeias de acontecimentos extremamente ricas e poderosas.
Esta riqueza é interior e exterior.
O primeiro passo é dar valor aos dados de realidade e não deixar passar despercebido o que é positivo.
Afinal, deve-se separar o que é bom do ruim, o importante do não importante, o belo do feio, etc.


MAIS TEXTOS DE REGIS MESQUITA:



Uma esposa sofria porque o marido era crítico e egoísta. Ela não se sentia valorizada por ele. Isto a desestimulava e diminuía sua autoestima.  Ela conduziu sua vida de tal forma que após vários anos não havia muito de positivo a ser valorizado. Ela se boicotou e se diminuiu como pessoa que realiza e atinge metas. O marido “provou” que estava certo em sua desvalorização, porque após vários anos ela não atingiu nenhum dos objetivos que buscou.

Com a terapia, ela descobriu o padrão de autoanulação. Ela perdeu muito tempo em sua vida querendo mudar o marido, sem desenvolver seus próprios potenciais. Ela nunca enfrentou os próprios desafios e jamais se autoafirmou – ficou eternamente no papel de vítima.

Esta é a simplicidade da vida. O primeiro passo para ser reconhecido é desenvolver um conjunto de habilidades e qualidades, em VÁRIAS áreas da vida.

Foi isto o que a cultura grega clássica desenvolveu: qualidades e mais qualidades. Aqueles que reconheceram estas qualidades foram muito beneficiados.

Todavia, os maiores beneficiários foram os próprios gregos da época. A vida deles foi melhor e com maiores possibilidades, independente de alguém valorizá-los ou não.

Quem ganhou foram os franceses que valorizaram a cultura grega e assim melhoraram sua própria cultura.

A melhor forma de ser cada vez melhor é valorizar a realidade em que se vive e desenvolver as próprias potencialidades.

Aprenda a identificar em sua própria vida os “tesouros” que são tratados como se fossem entulhos. Eles são a base, “a plataforma de lançamento”, de uma pessoa que conquista, atinge múltiplos objetivos e usufrui das oportunidades.


(1) As obras de arte chegaram ao Museu Louvre de várias formas: aquisição, saque, doação, entre outras.

(2) A mente reativa busca o alívio. Ou seja, fugir do trabalho e do esforço imediato. Com isto perde as oportunidades e as facilidades. A mente clara busca a satisfação que é o fruto das escolhas nobres, que geram novas oportunidades, facilidades e habilidades.


Autor: Regis Mesquita
Contato e Terapia: regismesquita@hotmail.com

https://twitter.com/mesquitaregis











Leia também:










Para refletir:

“A vida já tem muitas dificuldades. Por isto, uma das maiores burrices é não valorizar as facilidades. Mantenha sua mente focada no presente para que você possa prestar atenção no que é bom, identificar as oportunidades e usufruir o que você construiu”.
Regis Mesquita

Reflexão originalmente postada na página Nascer Várias Vezes do Facebook, clique aqui e conheça a página.




Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...