segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Rancor no casamento e no namoro - terapia de casal



Quando você para de seguir seus pensamentos ruins você dá a chance para que bons pensamentos ganhem força e sua energia mude.





"Não conheço rancor pior que o matrimonial. A cara das pessoas nessas situações fica de uma feiúra moral que assusta".
J A Gaiarsa


João tinha depressão. Maria não gostava que ele fosse assim. Eles se casaram.
O casamento esfriou e entrou em crise. As constantes desistências de João frustravam Maria.
Por exemplo,combinavam ir ao cinema e João desistia. Maria ficava raivosa e decepcionada.
A mágoa vinha junto, pois ela se sentia pouco amada.
O silêncio de João só aumentava a sensação de ser “deixada de lado”.
Não havia sintonia, por isto procuraram o psicólogo.
A esposa sentia raiva, sentia mágoa, e isto gerava o rancor.
Tornou-se irritadiça e “menos romântica”.
Distância... ficou distante do marido, afetivamente e corporalmente.
Era assim que sofria menos.
Não queria mais sonhar, para não se frustrar.
Não queria mais desejar, para não se sentir sozinha.
Não queria mais ser a boba.
Ela estava virando uma insensível; estava indo para o reino do “tanto faz”.
Todas as coisas boas estavam morrendo.
Mas, o rancor continuava lá, firme.




Ela já estava tão acostumada que nem prestava atenção no sentimento que dominava sua vida.
E a distância que ela criou dava um ar de vingança contra o marido.
Ele não me dá, eu não dou – estamos empatados.
Miséria de vida! Sem o positivo, lotado do negativo.
Ela fez suas escolhas pensando em se defender.
Acabou matando o positivo e incentivando o negativo.

Ele, o João, também queria se defender.
“A vida é assim, fazer o que”? Dizia ele.
“Fazer o que”? Repetia.
A terapia tinha que ajudar.
Primeiramente perceber o resultado: quando PRIORIZO me defender bloqueando o que é nobre, permito que o negativo domine.
O resultado é ruim.
O que é nobre movimenta a vida; o que é negativo empobrece, paralisa ou desvitaliza.
Perder o que é bom é péssima escolha.
É o caminho para perpetuar o rancor – raiva e mágoa curtida a cada minuto.

O rancor nos lembra da vida que não temos e que poderíamos ter.
O rancor é uma peça que pregamos contra nós mesmos, pois tão logo nos lembra do que não temos, iniciamos o autoboicote para ter certeza de que nunca teremos.
O rancor nos machuca, pois não é fácil ficar se boicotando e delirar que está se protegendo.
Maria queria tudo diferente, queria dar uma última chance ao marido.
Somos cheios de últimas chances...
99% das vezes o rancor mantém o casamento de pé, paralisado, pobre e mesquinho. Mantém agonizante, mas mantém.

Lembre: sentimentos, assim como seres vivos, lutam para sobreviverem.
O amor faz tudo para se perpetuar, a infelicidade procura motivos para se manter, o ódio tenta ser sempre mais forte, etc.
O rancor também vai lutar para se manter dominante – paralisando tudo e se nutrindo da insatisfação.
O rancor luta bravamente para ser o sentimento dominante e não abandonará sua luta.
Ao primeiro sinal de vida boa, ele ativa a angústia, o medo, a insegurança, a dúvida, a descrença, o egoísmo e, principalmente, a raiva e a mágoa.
É um arsenal de negativismo. Todos eles fortes, nutridos no dia-a-dia da vida pobre e supostamente protegida.
É uma luta desigual. Bons sentimentos esqueléticos lutando contra a gangue dos grandalhões da vida protegida e negativa.

A vida protegida é assim: sentimentos nobres são desprezados e os negativos cultivados, tudo em meio a um caldo de ilusões e delírios.
Na terapia, aprenderam a experimentar a vida desprotegida (viver desprotegido é a função da vida conjugal). (1)
“Sirva a quem te machuca.
Toda vez que você se sentir humilhado, será um convite para ser mais forte e mais gentil.
O que o outro apontar que você não sabe fazer provavelmente (mas, nem sempre) é o que você tem que aprender.
Quando você quiser se afastar, faça a escolha de se aproximar. Chore, mas não fique distante”.
Desde que você não esteja casado com uma psicopata, a regra acima vale ouro.

Na terapia Maria e João superaram traumas pessoais; o que foi de grande ajuda para o renascer da vida afetiva plena.
Se você não tiver a oportunidade da terapia, tome uma decisão: “esta minha vida é difícil e pouco satisfatória. Seguirei para uma vida desprotegida, onde servirei a mim mesma e à minha família com tudo de nobre que restou em mim”.
O rancor vai contra atacar com mais sentimentos negativos e mais ilusões.
Você vencerá (dentro ou fora do casamento) somente se permitir perder, se for boba, se aceitar não ser recompensada e nem reconhecida nas primeiras batalhas da sua mudança pessoal.
Parece difícil, mas é mais lógico cultivar o exército dos bons sentimentos do que a gangue da negatividade.


Acompanhe o site Psicologia Racional no Facebook

Clique em "Curtir Página"


Os resultados são melhores. 
Mas, é a paciência, o tempo, a disciplina e a perseverança que vão consolidar esta vitória.
Você será inundado com a energia e bem estar que somente os exércitos dos sentimentos nobres são capazes de te proporcionar.
Não há como uma pessoa com boa vibração e disciplinada para oferecer o que é nobre, não conseguir transformar sua vida pessoal.
Estas habilidades colocam a vida em movimento, geram o novo e o amadurecimento.
Você irá mudar. Terá mais força para negociar uma vida boa com seu parceiro. Todavia, lembre: é você quem está fazendo o esforço de mudança. A mudança é sua; talvez seja o estímulo para ele mudar também.


(1) A grande função da desproteção é se fortalecer. O foco é você desenvolver habilidades e capacidades. Ou seja, troca-se a estratégia negativa por uma estratégia que permite o crescimento pessoal. Este crescimento pessoal aumenta a probabilidade da pessoa ser feliz, dentro ou fora do casamento.

Quanto mais forte, capaz e equilibrado você for, menos proteção precisará.


Autor: Regis Mesquita
Siga o site Psicologia Racional no twitter: https://twitter.com/mesquitaregis



Atenção:
receba todos os novos textos do site Psicologia Racional no seu email. Na coluna da direita tem um lugar para digitar seu email (será mandado um email de confirmação, clique no link deste email para efetivar a inscrição). Outra opção é você se tornar seguidor do site.
É simples! É rápido! É fácil!



Conheça o livro Nascer Várias Vezes 

Clique aqui e saiba quais são os capítulos do livro. 
Alguns deles versam sobre o amor, casamento e relacionamentos. 

Um livro espiritualista que auxilia a transformação pessoal



Para refletir:

 “Todos têm que evoluir, vou assumir a responsabilidade pela minha vida e minha felicidade”.
“Se eu evoluir em áreas nas quais nunca evoluí serei mais completa e, portanto, mais capaz de gerar minha felicidade”.

“A evolução exige aprendizado. Aprendizado exige movimento, experimentação e descoberta. É por isto que amar é um verbo”.





PS: agradeço às pessoas que acompanham o site Psicologia Racional, seja recebendo as mensagens via email, sendo seguidoras ou visitando-o de vez em quando. De “boca em boca” os números estão aumentando. Sua participação na divulgação do site é fundamental.
Obrigado!



Quem faz da vida um rascunho, nem sempre tem tempo de passá-la a limpo

Centenas de imagens com belas mensagens 
para você usar gratuitamente: 
https://www.pinterest.com/regismesquita1/


Licença para reprodução dos textos do site Psicologia Racional, siga as instruções


5 comentários:

  1. Que isso!!
    Esse site é D+!
    Parabéns para aqueles que o mantém!

    ResponderExcluir
  2. e pensar q estou no reino do tanto faz.
    é..
    tenho que reaver meu modo de pensar

    ResponderExcluir
  3. Obrigada por partilhar com o mundo o fruto do seu estudo, este texto mudou a minha hoje...

    ResponderExcluir
  4. Amei...vou colocar em prática. Que Deus me ajude.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...